segunda-feira, 1 de junho de 2015

O SUICÍDIO DA PAZ! O QUE SAI DA BOCA NÃO É A LÍNGUA...


“Toda espécie de feras, de aves, de répteis e de animais do mar se doma, e tem sido domado pelo gênero humano, mas a língua, nenhum homem pode domar. É mal incontido, está cheia de peçonha mortal. Com ela bendizemos ao senhor pai, e também com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus”.

APOSTOLO TIAGO EPISTOLA (3:7 – 1O)

Pense com Edu! Infelizmente as pessoas não tem noção de como podemos com vibrações e pensamentos negativos, influenciar e prejudicar alguém.

Geralmente imaginamos o mal como a ação que produz prejuízos a alguém ou á coletividade. Roubo, agressão física, estupro, assassinato, estelionato... Há, contudo, outras maneiras de praticar o mal, não tão evidentes, mais sutis, em todos os níveis do relacionamento social, quando as pessoas que poderíamos denominar o suicídio da paz.
No lar, familiares que trocam insultos, gritam, xingam, turvam o ambiente, magoando-se reciprocamente, estão suicidando a paz. Os consultórios médicos e as instituições religiosas recebem grande contingente de pessoas atribuladas e aflitas, em virtude de um clima beligerante no lar. Tensões nervosas decorrentes de ambiente assim comprometem os mecanismo imunológicos, produzindo distúrbios variados, do corpo e do espirito.
Em outros aspectos da vida social, a falta de generosidade no relacionamento humano faz estragos. Noutro dia em uma clinica esperando uma consulta, conversei com uma senhora que estava abalada, sentindo dor, desde do dia em que, por distração na direção de seu veiculo, provocou pequeno acidente de transito, raspando num automóvel estacionado. O problema maior foi à reação do proprietário que veio até ela, espumando de raiva. Gritou, xingou, ameaçou, em altos bravos... Desde então ela ficou em crise, foi direto para a urgência com uma dor generalizada, avaliada e medicada foi encaminhada para um especialista, para surpresa foi diagnosticado com fibromialgia.
Infelizmente as pessoas não tem noção de como podemos com vibrações e pensamentos negativos, influenciar e prejudicar alguém. Nunca é demais lembrar que somos um dínamo-psiquismo. Emitimos vibrações correspondentes a natureza de nossos sentimentos, a tomarem carona nas nossas palavras e pensamentos. Pensamentos bons, sentimentos elevados, palavras mansas – luz a expandir-se. Pensamentos maus, sentimentos negativos, palavras agressivas – sombras a se derramarem.
Quando praticamos a caridade, a generosidade, quando atendemos alguém, quando participamos de uma obra social, um trabalho voluntário, quando oramos por alguém, quando damos uma contribuição em favor de uma obra filantrópica, quando dizemos palavras de entendimento, estamos emitindo luz, e como diz o velho dito popular: aquele que acende uma luz é o primeiro a ser iluminado. Detalhe o inverso também acontece. A má palavra, o prejuízo causado ao semelhante, o palavrão, o gesto de agressividade, sustentam-se em vibrações deletérias, pesadas, negras, que prejudicam o próximo, mas também prejudicam, sobre tudo, a nós mesmos... o mesmo dito popular vale – aquele que faz a escuridão é o primeiro a cerca-se de sombras.
Há quem diga justificando: se eu não xingar, espragueja, se não descarregar minha ira, naquele momento quando fico nervoso, acabo explodindo, fico doente.
Fazendo uma analise algo muito semelhante acontece com o viciado. “Um cigarro por amor de Deus”. “Sem a pedra do crack estou na pior”! “Preciso urgente de uma dose de uísque”. A dependência química e a falta de consciência de que está mergulhando num abismo inibem qualquer reação do viciado. Da mesma forma quando a pessoa diz que explode se não extravasar sua irritação, está demostrando o vicio da agressividade, resíduo do bruto que mora no ser humano...
O que fazer nesses momentos? Assim como qualquer dependente, é fundamental que a pessoa reconheça que um comportamento agressivo, um desrespeito pelo próximo, é algo de muito ruim, que deve ser superado, em seu próprio benefício.
Caro leito você poderia me perguntar: - Bem, se devo tratar as pessoas com consideração, evitando a má palavra, o gesto de agressividade, como fazer quando alguém adota esse comportamento comigo?
Como neutralizar essa carga pesada de vibrações deletérias, que se expande em palavras e pensamentos?
A solução é simples: exercitar a compreensão. Entender que as pessoas guardam sua maneira de ser, de entendimento, com suas limitações e fraquezas próprias de seu estagio mental. Não posso exigir delas o que não têm para dar...

Pense com Edu! Se entendermos naquele que nos agride com palavras, gestos ou até mesmo atitudes alguém que naquele momento perdeu a paz haveremos de conservá-las em nós.

Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : O homem de Bem. Richards Simonetti. Editora CEAC. 2014
³ Fonte imagem : http://files.radioreflita.webnode.com.br/200001970-4f6d35067e/cuidado-com-a-lingua.jpg
 Livro de Referência: Bíblia de Estudo Almeida. Barueri – SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006. 1728p.

Written by Eduardo Campos all rights reserved.

14 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom Edu! A paz deveria ser a meta de todo mundo! Muito legal esse texto!

Anônimo disse...

Tens uma alma nobre, sabias?

zeneide disse...

Que texto lindíssimo. Temos que nos dar as mãos e enviar ao Universo energias positivas de paz, amor e muita harmonia. São sementes que jogamos ao vento e que um dia colheremos, com certeza, nem que seja pelas mãos de nossos descendentes. Mas, colheremos!

Anônimo disse...

Como seria bom esse mundo perfeito, e se cada um de nós fizesse a sua parte, seria possível. Adorei o texto carregado de uma realidade.!

Anônimo disse...

Uma, msg para ler e reler! A paz esteja sempre em nossos corações para que possamos dividi-la com todos! bjs e muito amor!

Ludmila disse...

Amigo, o mundo precisa de textos assim. Bjs

Anônimo disse...

"Um mundo de Paz é o que queremos; eu grito pela Paz*, pela *Igualdade entre todos os seres, contra as Injustiças**) e tantas coisas que nos fazem infelizes; um post maravilhoso e como diz a Ludmila, precisamos de mais textos assim...

Anônimo disse...

Oxalá houvesse Paz, sim: o mundo seria tão melhor...

Anônimo disse...

A paz e tão boa mas tão boa que deveria virar lei.

Anônimo disse...

Acho que todos, uma vez na vida, por um minuto, se viram capazes de fala ou cometer coisas horríveis, não é? Esse minuto foi aquele em que desacreditaram do amor. Sem o sentimento maior seríamos monstros horríveis.

Anônimo disse...

Para que a paz aconteça é necessário que cada um faça a sua parte! E se o outro não fizer não pode servir de desculpa para ninguém fazer!!! Façamos a nossa parte e pronto, um dia todos farão! Linda e tão necessária mensagem!!!Chega de violência!

Anônimo disse...

Todos a queremos e esperamos. Façamos pois!!!

Anônimo disse...

Boa tarde adorei a mensagem!
Me identifiquei muito c ela ...não na parte de grosserias...gritos...mais as vezes fazem comigo.
Eu apenas me calo...penso não vou fazer igual o que eu não desejo a mim...não farei ao outro.Ja fui muito maltrata ...as vezes na família mesmo...mais deixo p la ...fico tão em paz isso p mim é o melhor.Paz e Luz

Eliana Peixoto disse...

Edu mas um texto bastante reflexivo. a paz tanto sonhada tanto buscada por todos nós estar dentro de nós mesmos, de mim de você. Se tomo consciência que sou portador de paz no ambiente em que vivo e mudo minhas atitudes a paz começa acontecer. Então comecemos agora eu, você, nós alimentar as atitudes de promoção de paz. Obrigada Edu por nos lembrar que em nossa boca não sai só a língua. .. Bjs