terça-feira, 21 de julho de 2015

CATIVE E DEIXE-SE CATIVAR.


Foi então que apareceu a raposa.
“Bom dia.” – Disse a raposa.
 “Bom dia.” – Respondeu o principezinho com delicadeza. Mas, ao voltar-se não viu ninguém.
“Estou aqui.” – Disse a voz – “Debaixo da macieira…”
“Quem és tu?” – Disse o principezinho. – “És bem bonita…”.
 “Sou uma raposa.”
 “Anda, vem brincar comigo.” – Propôs-lhe o principezinho. –“Estou tão triste…”
“Não posso brincar contigo.” – Disse a raposa. – “Ainda ninguém me cativou.”
 “Ah! Perdão.” – Disse o principezinho.
Mas, depois de ter refletido, acrescentou: – “Que significa cativar”?
“Tu não deves ser daqui.” – Disse a raposa. – “Que procuras?”
“Procuro os homens.” – Disse o principezinho. – “Que significa cativar”? “Os homens” – disse a raposa – “têm espingardas e caçam. É uma maçada! Também criam galinhas. É o único interesse que lhes acho. Andas à procura de galinhas?”
 “Não.” – Disse o principezinho. – “Ando à procura de amigos. Que significa cativar”?
 “É uma coisa de que toda a gente se esqueceu.” – Disse a raposa. – “Significa criar laços…”
 “Criar laços?”
 “Isso mesmo.” – Disse a raposa. – “Para mim, não passas, por enquanto, de um rapazinho em tudo igual a cem mil rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu não precisas de mim. Para ti, não passo de uma raposa igual a cem mil raposas.
Mas, se me cativares, precisaremos um do outro. Serás para mim único no mundo. Serei única no mundo para ti…”
 -“Começo a compreender.” – Disse o principezinho. – “Existe uma flor... creio que ela me cativou.”
 “É possível.” – Disse a raposa. – “Vê-se de tudo à superfície da Terra…”
Saint-Exupéry, em sua obra-prima, O pequeno príncipe, apresenta questões existenciais de fundamental importância. Uma delas diz respeito ao cativar, ao criar laços.
Numa época em que muitas de nossas relações ainda não saíram de uma superficialidade pálida e cômoda das redes sociais, faz bem poder pensar sobre o criar laços.
Criar laços é, antes de tudo, entregar-se a uma relação de coração aberto.
É também estar disposto a se doar ao outro, sem exigir nada em troca.
A troca, numa relação, é consequência e combustível, mas jamais poderá ser condição.
Com o cativar vem a responsabilidade. Exupéry coloca também, na voz de sua raposa, que somos responsáveis por tudo aquilo que cativamos.
Em qualquer laço criado, a responsabilidade vem junto, colocando as partes numa posição de respeito e dependência de uma para com a outra. Laços não são descartáveis.
O amor não é descartável.
Somos responsáveis por quem cativamos, por quem depende de nosso amor na face da Terra.

Refletindo com Edu!
Não falo de uma responsabilidade que prende e sufoca, mas a responsabilidade leve e doce, que só o amor promove.
Que busquemos, neste curto período de vida, criar laços profundos.
Os laços de amor levamos conosco, e nunca se perdem.
Cative e deixe-se cativar.
Pense nisso.

Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : Barry e Joyce Vissell (Amor verdadeiro) & Joanna de Ângelis e Divaldo Franco (verbete Amor)
³ Fonte imagem : http://thesecret.tv.br/leidaatracao/wp-content/uploads/2014/07/cativante.jpg
Livro de Referência: livro O pequeno príncipe, de Antoine Saint-Exupéry, ed. Agir. Em 30.11.2012

Written by Eduardo Campos all rights reserved.

5 comentários:

Anônimo disse...

Eduardo Sentir uma sensação de prazer muito grande lendo delicioso texto... a vontade de ler e reler é constante...bjs

Anônimo disse...

Bom dia menino do sorriso encantador! que encanta a todos com seus textos lindos...

Helena disse...

Eduardo, nunca será suficiente apontar-se reflexões pertinentes como essas que vêm nas palavras desse seu texto. Que as mentes se abram pra verdades imutáveis, essas mesmas que nos identificam como mais humanos e menos autômatos.

Anônimo disse...

Excelente poesia para se refletir. Maravilhosamente linda!Bom dia Dudu!

Anônimo disse...

Olá Eduardo, Passando e relendo , deixando-lhe também Um Abraço :)