terça-feira, 28 de julho de 2015

Compaixão no atendimento de saúde




“Ter compaixão é possuir um entendimento maior das fragilidades humanas. É quando nos tornamos mais realistas, menos exigentes e mais flexíveis com as dificuldades alheias”.
Eduardo Campos

Nas três últimas semanas vivendo a minha incessante luta para realizar exames, consultas para diagnosticar e ao mesmo tempo tratar uma possível patologia que causava dores intensas e querendo ao mesmo tempo ter as melhores condições para manutenção de minha qualidade de vida, me deparei com a dificuldade de encontrar profissionais com perfil para exercer as funções de um bom cuidador.                                                                                  Durante esse período tenho tido a sensação de que o ser humano – com medo dos próprios sentimentos e para não se arriscar a expor a sua própria fragilidade – torna-se aquele fazedor de tarefas sem muito envolvimento ou compromisso com o que faz.   
Percebe-se claramente o medo, a rejeição e a impaciência.
Mas, vocês devem estar perguntando, o que tem isso a ver com compaixão Edu?
Foi assim que, um tanto angustiado pela situação, busquei refletir sobre o que é ter compaixão e durante um sonho essa noite ouvir de uma pessoa o seguinte trecho que, de forma delicada e preciosa, faz-nos compreender o significado desse nobre sentimento que divido com vocês... “Quando seu medo toca a dor de alguém, torna-se piedade; quando seu amor toca a dor de alguém, torna-se compaixão.”
A compaixão é o mergulho consciente no reconhecimento da nossa condição humana, sujeita aos mesmos ciclos de sofrimentos, fraquezas e fragilidades de qualquer ser vivente.
Ela é, portanto, a fonte de onde brota a solidariedade, o perdão, o serviço.
É o “amar ao próximo como a si mesmo” como nos ensinou Cristo.
Sem dúvida alguma, é a genuína e essencial sensibilidade que nos capacita olhar para outro ser humano, vendo a nós mesmos naquela condição e situação em que se encontra.
É o sentimento de compaixão que nos faz sensíveis ao que está à nossa volta, que nos faz desgostar.
É o sentimento que nos une às coisas e nos envolve com as pessoas…
É o sentimento que torna pessoas, coisas e situações importantes para nós.
Esse sentimento profundo, repetimos, se chama cuidado...


3 comentários:

Anônimo disse...

Boa Noite Edu! Estou totalmente de acordo contigo. espero que você fique bem! Deus te Abençoe!

Helena disse...

Edu muito sensível seu texto... Um exercício simples é a troca de olhares, que consiste simplesmente em sentar-se frente a frente e tentar conversar com os olhos. A intimidade que existe nesse gesto é tão grande que, às vezes, temos medo de fazê-lo. Por mais artificial que possa parecer, um olhar toca o fundo das nossas emoções...

Anônimo disse...

Edu!Sempre encontras ótimos conselhos, que ilustras adequadamente, para atrair mais a atenção. Resumindo: depois de tudo bem lido, sempre se conclui que, é nos vários tipos de amor e de gratidão que nós profissionais de Saúde devemos concentrar... Muito sábio suas percepções! Fica com Deus!