quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Quando nos casamos



            Quando nos casamos começamos a erguer um templo sagrado no mundo. Este templo precisa ser erguido sobre duas colunas, guardando uma da outra distância segura, a distância do amor que acolhe e a distância do amor que liberta.
Sabemos muito bem que se os pilares estiverem muito próximos, quase querendo ocupar o mesmo espaço, o templo se desequilibra sobre eles. Também se a distância for demasiado grande, o prédio racha bem ao meio.
Quando nos casamos chamamos este templo de família. As colunas são os companheiros de jornada que sustentam esta edificação monumental.
Sabemos que, se um deles relaxar demais, largará todo o peso da sustentação para o outro, sobrecarregando-o. Colocamos em risco os pilares, que se fragilizam quando não se sentem devidamente amparados entre si.
E os filhos vêm habitar o templo. Quanta responsabilidade... Mas também quanta alegria! E como ficou mais belo nosso edifício! Possui tantas cores que não possuía antes!
O amor quando se divide se torna maior. Não ficamos com menos amor em nosso estoque, por ter que dividi-lo entre cônjuge, filho, filha. Nosso amor cresce, amadurece, se modifica.
Quando nos casamos somos convidados a ser menos egoístas, e talvez esteja aí uma das grandes funções do casamento: combater o egoísmo avassalador, que ainda nos traz tantos problemas.
Antes era eu; minhas coisas; meu dinheiro; minha vontade. Agora, dentro de um casamento, o nós ganha força: nossas coisas; nosso dinheiro; a sua e a minha vontade, e aprendemos a ceder, a compartilhar, para poder viver em harmonia.
É um laboratório intenso, diário, desafiador. Muitos não suportam e desistem antes da hora, antes de tentar um pouco mais. Alguns acham que ainda podem levar o mesmo estilo de vida que levavam enquanto solteiros – não querem amadurecer.
Porém, só temos a ganhar. A companhia de um amor que está ali, ao nosso lado, todos os dias, e depois, desses que chamamos de nossos filhos, é do que há mais belo que se possa imaginar e viver.
Não é a toa que o casamento, a união permanente de dois seres, significa um avanço na evolução da Humanidade, pois representa o Espírito se aproximando da lei do amor, uma lei Divina.
Da mesma forma que a monogamia é conquista preciosa da Humanidade, será conquista também a fidelidade, o respeito, o companheirismo, quando todos os casais puderem viver dessa forma.
Quando nos casamos, mas nos casamos de verdade, na intimidade do coração, e não somente na superfície das convenções do mundo, aproximamo-nos do amai-vos uns aos outros proposto pelo Mestre.

Refletindo com Edu!
O momento do sim é inesquecível. Porém, ele precisa ser dito e vivido várias vezes durante muitos e muitos anos, e não apenas naquela comemoração feliz do passado dos dois.
Dizer sim, todos os dias, é aceitar o outro com suas dificuldades, com seus desafios, buscando construir ali o mais belo templo possível.
Num casal maduro cada um busca ser o melhor companheiro possível para o outro. Diminuem as expectativas e aumenta a doação. Diminui a cobrança e aumenta a compreensão.
Sim, eu aceito você, como meu companheiro, como minha companheira, do jeito que você é, e juntos iremos crescer em direção à perfeição.

Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : R M E -  

³ Fonte imagem : http://www.intercambio7.com.br/sims-e-naos-para-seu-intercambio.jpg

Um comentário:

ediglema dias disse...

Pena que não pude viver tudo isso , faltou a prática faltou o crescer e amadurecer