terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Uma explosão da raiva


Uma explosão da raiva

Ela havia acordado irritada, por conta de uma noite mal dormida, fruto de uma discussão na noite anterior.
Levantou-se lentamente, como se carregasse uma carga muito grande, pesada demais para seu corpo.
Sentia-se cansada e desanimada. Mal olhou pela janela. Não viu o sol se mostrando num raio multicolorido. Não ouviu os pássaros cantando. Não deu atenção para a suave brisa que embalava os galhos das árvores.
Foi checar as mensagens no celular e constatou que estava sem sinal. Tentou ler os e-mails no computador e notou que estava sem conexão. Sua indignação se misturou ao cansaço e à irritação da noite anterior. Um turbilhão de raiva se formou em seu interior.
Assim que o sinal retornou, apanhou o telefone e discou. Mal ouviu a voz da funcionária do atendimento, descarregou sobre ela sua insatisfação por conta dos sucessivos problemas ocorridos.
A moça ouviu palavras ríspidas, num tom de voz que lhe feria os ouvidos. Terminada a enxurrada de reclamações, a atendente fez uma pergunta que pareceu irônica aos já irritados ouvidos da consumidora. Foi a gota que faltava.
Despejou na jovem toda a fúria que sentia, acrescida da frustração que carregava. Sua ira não distinguia o que era de âmbito pessoal do profissional. Tudo se misturava e jorrava de sua boca como lava destrutiva. Não falava, gritava. Sentia-se desrespeitada em seus direitos de consumidora e desrespeitava o ser humano que estava do outro lado da linha.
Totalmente desequilibrada, não conseguia se conter. Atacava ferozmente quem julgava ser a causa de seu aborrecimento.
A operadora tentou falar, mas foi interrompida, de forma brusca. Pensou em cortar a ligação, mas sabia que o sistema retornaria a chamada e concluiu que pioraria a situação.
A mulher estava muito nervosa. Teve um mal estar e acabou desligando.
Do outro lado da linha, a funcionária suspirava pesadamente. Depois de outros telefonemas como aquele, teve um ataque de pânico e acabou sendo afastada do trabalho.
O problema que motivara o telefonema não foi resolvido e as duas terminaram o dia com grande sobrecarga emocional, desequilibrando o corpo e a mente.

Finalizando para Recomeçar
Quantas vezes, abalados por questões pessoais, acabamos despejando sobre os outros, ao menor sinal de contratempo, nossas angústias e irritações, sem avaliar que eles, nem sempre, são responsáveis pelos nossos problemas.
Cegos pela raiva, não ouvimos, pois a ira não permite o diálogo. Ela afasta a razão e a consciência de que estamos lidando com alguém que, como nós, também tem sentimentos.
Ao nos depararmos com questões graves e importantes, é preciso ter em mente que a pessoa que nos atende poderá não ter a solução de que necessitamos no momento, mas poderá ajudar a conduzir o problema de maneira menos desgastante. Tudo dependerá da forma como nos posicionarmos.
Se nos irritarmos e agredirmos, difícil se tornará o entendimento. Se buscarmos o diálogo e a conciliação, descobriremos recursos que ajudarão a encontrar a melhor solução possível.


¹ Fundador e Autor do Blog: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : R M E - Em 25.3.2015.
³ Fonte imagem : http://www.intercambio7.com.br/sims-e-naos-para-seu-intercambio.jpg
Livro de Referência: livro Nossos filhos são Espíritos, Hermínio  Miranda, ed. Arte e cultura.

Nenhum comentário: