quinta-feira, 6 de julho de 2017

Você sabe quem é você?



Você sabe quem é você?


Se lhe perguntarem: “Quem é você?”, qual seria sua resposta? Diria que você é uma pessoa ansiosa, tímida, extrovertida, legal? Ou você se conhece o suficiente para responder mais do que isso? À primeira vista parece óbvio e fácil responder isso, mas é muito comum, ao fazer essa pergunta, as pessoas encontrarem dificuldade em responder.
Algumas pessoas com características narcisistas ou com ego superdesenvolvidos podem ter facilidade em descrever pontos positivos e dificuldades em descrever pontos negativos. Já pessoas com depressão ou com autoestima baixa tendem a valorizar as características negativas e encontraram dificuldades para falar as características positivas. Isso não significa que você traz consigo essas características se encontrar dificuldades ou facilidades, pois realmente essa não é uma tarefa muito simples.
Faça o seguinte exercício: pegue uma caneta e um papel e escreva dez características positivas e dez pontos a desenvolver. Vamos lá, faça esse exercício. Difícil, não é? Então tá, escreva cinco. Continua difícil, ainda mais nos pontos que temos que desenvolver (nossos defeitos). Essa não é uma tarefa muito simples mesmo e descrever-nos com propriedade requer um esforço muito grande. Primeiro porque gera medo e ansiedade nos revelarmos para outra pessoa: “O que ela vai pensar de mim?”. Segundo porque temos a característica de não investirmos tempo nos conhecendo. Às vezes é muito melhor jogarmos para debaixo do tapete características que não queremos ter ou que nos incomodam, ao invés de aceitarmos. Ao aceitarmos e reconhecermos essas características elas passarão a fazer parte de uma forma mais consciente do nosso dia a dia e só assim poderemos mudar algo que não está bom.
Mas ao tornar algumas características mais conscientes precisaremos também lidar com elas e isso pode causar um certo desconforto. E às vezes podemos perguntar: Pra que mudar algo? Não é incomum ouvirmos isso: Já me acostumei assim, sou assim mesmo e vou continuar assim. É como se nós nos olhássemos no espelho e não enxergássemos como realmente somos ou como uma pessoa que sofre de Anorexia nervosa que, ao olhar no espelho, vê uma imagem totalmente distorcida de si. Só que esse processo de autoconhecimento vai além do físico.
Reconhecer alguns sentimentos ou características de nossa personalidade exige tempo e não basta apenas olhar no espelho para isso. É necessário olhar para dentro de si. Enxergar o que está além do que os olhos podem ver. Mas existem pessoas, e não são poucas, que preferem manter o lado de fora bonito. Nada contra, até porque cuidar da saúde e do corpo é uma forma de cuidar da gente, mas o que muitas vezes acontece é uma supervalorização do externo e isso passa a ser mais importante e demandar mais tempo e investimento do que cuidar do interior. E isso é até comum, pois vivemos em uma época em que a aparência é supervalorizada. Mas é a partir do interior que construiremos uma caminhada e só a partir dele poderemos responder quem realmente nós somos.
Imaginemos que no trabalho você é uma pessoa, na faculdade outra, no clube ou na Igreja outra pessoa e com os amigos você assume características ainda diferentes. Se isso acontece talvez esteja havendo um desequilíbrio. Escolher ser outra pessoa que não seja você mesmo poderá causar um desespero profundo. É certo que temos papéis sociais que precisamos desempenhar, mas quando algo fere a sua essência, é importante parar e descobrir quem é você e aonde você quer chegar. Isso é facilita na hora de fazer escolhas como profissão, casamento, etc.
Aceitar-se é uma das condições para esse autoconhecimento. Isso não significa que devemos ser do jeito que somos para o resto da vida. Mas se aceitar é condição essencial para promover qualquer mudança. E aceitar-se sugere em responder com sinceridade quem é você. Por mais que não seja uma tarefa fácil, existe muito mais por trás do que nós somos do que podemos supor. Pensar de maneira certa e coerente sobre você poderá fazer se sentir mais à vontade consigo mesmo. E quando você se conhece bem isso lhe traz mais segurança e a partir daí promover qualquer mudança fica mais fácil.
E não se esqueça, você é um ser humano. E todo ser humano tem limitações, carências, dificuldades. Se você não conseguir enxergar isso, provavelmente entrará em uma classificação chamada perfeccionismo e pessoas perfeitas não precisam de mudança, mas pessoas perfeitas também não existem. E aí vale uma pergunta: Você está sendo você ou está sendo o que os outros querem que você seja?

           
¹ Fundador e Autor do Blog: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : Matheus Coelho / Copyright 2016 by Psiconlinews.

³ Fonte imagem : http://www.intercambio7.com.br/sims-e-naos-para-seu-intercambio.jpg

Nenhum comentário: