sexta-feira, 2 de maio de 2008

SAÚDE

ENTREVISTA SOBRE PROBLEMAS SEXUAIS




Observa-se que hoje um dos grandes problemas em relação ao sexo (masculino) é a ejaculação precose, em sua opinião Como controlar a ejaculação, ou prolongar o ato sexual?
Quando ocorre a ejaculação precoce, é necessário saber se isso acontece sempre ou só de vez em quando. Se ocorre ocasionalmente não chega a constituir-se num problema, mas se isso se repete com muita freqüência é necessário procurar uma solução. Os especialistas afirmam que muito raramente se trata de uma disfunção física e, quase sempre, é conseqüência de um desequilíbrio emocional e psicológico, pois o problema não começa num determinado momento da vida do homem, mas está ligado na sua própria formação. Para os que sofrem de ejaculação precoce é importante deixar a penetração para o fim do ato sexual. É importante entender que o sexo não é somente a penetração. As preliminares devem ser exploradas com muita intensidade e o tempo de penetração deve ser prolongado para que o casal obtenha mais prazer.
Existe algum treino físico para melhorar o controle sobre a ejaculação?
A técnica mais famosa é a chamada "start-stop" (começa-pára). O homem deve se masturbar e interromper os movimentos quando perceber que está prestes a gozar. Deve ficar parado até que sensação premonitória da ejaculação desapareça e depois reiniciar os movimentos. Dessa forma, o homem passa a reconhecer os sinais que antecedem o gozo. Também pode ser feito com a ajuda da parceira. Muitos ejaculadores precoces, no entanto, têm um bom controle no momento da masturbação, mas, na hora da penetração, perdem a cabeça. Algumas posições da ioga também são úteis. Exercícios de respiração ajudam no relaxamento e no controle emocional, diminuindo os batimentos cardíacos. Há um exercício próprio para treinar esse tipo de controle chamado "mulabanda", que consiste na contração e relaxamento dos esfíncteres. É preciso fazer uma pressão como se a pessoa precisasse muito ir ao banheiro. Isso fortalece os músculos que fecham o ânus e a uretra, importantes no controle da ejaculação.
Existe alguma posição sexual que favoreça ou não o controle da ejaculação?Não há uma regra, mas facilita se a relação começar pela posição que seja menos excitante para o homem. Muitos especialistas defendem que a posição "papai mamãe" (o homem sobre a mulher) é a pior para os "rapidinhos" por dois motivos: possibilita contato maior dos corpos e é a posição mais comum, a que o homem já está mais habituada. A necessidade de mudar o "script" também é fundamental no trabalho de descondicionamento sexual. A mulher por cima, deixando os movimentos somente com o parceiro, é uma das primeiras indicadas nas terapias sexuais.


A maioria das mulheres tem dificuldades para chegar ao orgasmo? Em sua opinião por que isso acontece?São raros os casos em que a mulher não atinge o orgasmo por causas físicas, como alterações hormonais ou má-formação do aparelho genital. A mulher, comparada ao homem, precisa de um tempo mais longo para chegar ao orgasmo. Isso tem a ver com fatores educacionais e culturais, pois a sexualidade sempre foi proibida para ela, enquanto incentivada para o homem. Sendo assim, a mulher necessita de um estímulo maior nas carícias chamadas preliminares, para que possa relaxar mais e sentir-se mais disposta a entregar-se ao prazer e as sensações sexuais. Mas é importante que você mulher se disponibilize e se abra para conhecer-se e conhecer ao seu parceiro ou parceira para ousar mais nas carícias e possibilidades de entrega. O orgasmo vem como conseqüência de um profundo encontro, onde as carícias e os jogos excitatórios possibilitaram um alto grau de prazer e que levam a esse ápice.
Como você conceituaria o orgasmo feminino?Vou fazer algumas considerações fisiológicas, padrão, uma vez que cada mulher pode ter reações próprias, na hora de um orgasmo. Entretanto, sob o ponto de vista orgânico, espera-se algumas reações corporais, que fazem com que o orgasmo feminino:
Se inicia com fortes e rítmicas contrações involuntárias da plataforma orgástica (a terça parte externa da vagina) e do útero.
O rubor sexual atinge o seu ponto máximo (os lábios vaginais ficam intumescido e mudam de cor).
O clitóris fica ereto e sensível ao toque, colaborando para o prazer e a chegada do orgasmo.
É possível haver contrações involuntárias do esfíncter retal, o que leva, em algumas mulheres, a sensação de dores no ânus, após o orgasmo.
Os batimentos cardíacos aceleram-se, a pressão sanguínea e o ritmo da respiração também chegam ao ponto máximo.
Inicia-se a perda do controle muscular voluntário (em algumas mulheres pode-se observar a contração de grupos de músculos no rosto, nas mãos e nos pés).

O orgasmo feminino pode ser produzido pela estimulação clitoriana ou vaginal, ou por uma combinação de ambas. (Essa estimulação pode se dar por auto-erotismo (masturbação), sexo oral, sexo com penetração vaginal, sexo anal, pelo uso de vibradores ou consolos).
O orgasmo feminino NÃO é igual ao do homem. As mulheres podem gozar pela estimulação apenas do clitóris, pela estimulação da vagina (mais raro), pela estimulação de ambos e pela estimulação anal. Geralmente, após orgasmo, uma mulher pode gozar novamente, se for devidamente estimulada e se ela estiver com desejo. Ao contrário dos homens que precisam de um certo tempo para se recuperarem.
O homem pode sentir orgasmo sem ejacular?Nos homens, orgasmo e ejaculação andam quase sempre juntos e muita gente acha que por isso os dois são exatamente a mesma coisa. Mas não são! Orgasmo é o pico do prazer que o homem sente em uma relação sexual. Depois dele, há uma queda abrupta no estímulo, o que, em geral, corresponde a uma perda da ereção e à necessidade de um certo "tempo de recuperação" antes do segundo tempo.Já a ejaculação é a saída de esperma pelo pênis.
Na "hora H", há uma contração dos músculos que ficam na região genital e essa pressão muscular facilita a expulsão do sêmen. Embora não seja muito comum, é possível sim gozar sem ejacular – e também o contrário, ejacular sem sentir orgasmo. Vamos por partes: um homem é capaz de ter ejaculado muitas vezes em um único dia e estar praticamente sem esperma "estocado". Assim, ele pode chegar ao quarto ou quinto clímax sem liberar nem um pouco de sêmen. Homens que tomam alguns tipos de antidepressivo também podem demorar muito mais para lançar o esperma, sendo possível até experimentar um orgasmo sem que a ejaculação aconteça. O mesmo vale para quem passou por cirurgias que mexeram em nervos da região genital.
O caso contrário, a expulsão do esperma sem o clímax, pode ocorrer com quem sofre de ejaculação precoce. Ela às vezes acontece tão rápido, que o sujeito nem chega a sentir o pico de prazer. Em outras ocasiões, o homem pode estar com uma estimulação sexual tão baixa, que chegará a ejacular sem uma sensação plena de orgasmo.
Todas as mulheres gozam da mesma forma?
Não. Embora os estudiosos da fisiologia da resposta sexual feminina descrevam, funcionalmente, alguns fenômenos comuns ao orgasmo feminino, não há um padrão único para que ele ocorra. Quero dizer que, embora hajam reações e sensações biológicas, orgânicas, corporais ... comuns a todas as mulheres, é possível verificarmos peculiaridades e características próprias do orgasmo se expressar, em cada uma. Portanto, não há um modelo único, automático ou definitivo para que o orgasmo se manifeste. Além desse aspecto pessoal, os momentos e circunstâncias que experimentamos na vida, também são determinantes. O conhecimento sexual pessoal é adquirido ao longo de nossa vida sexual. A expressão prática da nossa sexualidade, ao longo da vida, pode variar e mudar, dependendo do nível de maturidade frente ao sexo, do tipo de estímulo proporcionado pelo nosso(a) parceiro (a), dos níveis de erotização e desejo vividos, do conhecimento e controle dos mecanismos subjetivos da sexualidade (nossas fantasias, por exemplo), da capacidade de entrega aos prazeres do sexo, do desapego aos mecanismos repressores aprendidos pela educação, dos níveis de saúde e bem estar corporal, etc.
Não é possível descrever o orgasmo feminino como um fenômeno único. Cada mulher pode reagir e expressar comportamento próprio:
Tem garotas que tremem;
Algumas contraem toda musculatura do corpo;
Outras dão "pulinhos" ritmados;
Há mulheres que tem uma única sensação;
Outras podem ter várias e seqüenciais descargas elétricas;
Tem garotas que riem... Outras choram;

Somente a mulher pode dizer e descrever seu orgasmo!
Só conseguir gozar com masturbação, é normal?A masturbação é algo que proporciona muito prazer. Pode ser praticada por si mesmo ou pelo parceiro e deve ser algo com participação constante na vida sexual. Porém o encontro dos órgãos sexuais pode trazer muito prazer e faz parte de uma sexualidade mais integral. Em sexualidade tudo o que não causar dor ou sofrimento tanto de ordem física como emocional pode e deve ser vivido. Certamente uma vida sexual mais satisfatória é aquela que busca encontrar prazer na sua totalidade. Quando se chega ao gozo apenas com a masturbação, possivelmente algum fator emocional está bloqueando uma experiência mais ampla. E que a sexualidade não está sendo usufruída na sua totalidade. Dessa forma é possível se alcançar o orgasmo, e isso é um ótimo caminho para a satisfação sexual. Mas é também um sinal de que algo poderá ser trabalhado para aumentar as possibilidades sexuais e ampliar as formas de prazer e de gozo, livres de possíveis repressões ou dificuldades de entrega afetiva.

Um comentário:

karla disse...
Este comentário foi removido pelo autor.