quarta-feira, 1 de abril de 2009

VAMOS DAR UM TEMPO? Refletindo Sobre Separação.

VAMOS DAR UM TEMPO? Refletindo Sobre Separação.




Um dos maiores erros que alguém pode cometer é romper uma relação porque pretende viver com outra pessoa; o mais provável é que muitos dos antigos erros sejam repetidos na nova união. Sem contar que a nova pessoa vai sempre carregar a impressão de que um dia aquilo também poderá acontecer com ela.

Uma separação saudável é aquela em que alguém se separa por se dar conta de que o relacionamento não tinha mais como se manter sem sérios prejuízos para uma das partes. Sente-se a necessidade de buscar alternativas e outros estilos de vida.

Geralmente, as pessoas desejam separar-se por sentir que, com o outro, não é possível realizar seus desejos.
É bom não ter pressa em concretizar a decisão de separação; proponha-se outro objetivo: organizar a vida para ser feliz.
• Se alguém está pensando em se separar para estudar, convém começar a estudar e ver o que acontece!
• Se alguém quer se separar para poder sair com amigos, é bom assumir esse desejo e verificar as conseqüências!
• Se a separação tem como causa o impedimento de trabalhar, é oportuno trabalhar e perceber o resultado!

Quando falamos em não ter pressa de tomar a de cisão da separação, queremos dizer que decisões importantes necessitam de um tempo de maturação e que não é preciso separar-se para se dar permissão de fazer alguma coisa a que se tem direito. É importante analisar, juntos, quando um dos parceiros sente o desejo de se separar. Você pode querer sair da relação, mas precisa pelo menos comunicar ao outro o seu desejo e dizer por que quer ir embora. E, no mínimo, dar a ele a chance de fazer algo para que uma solução a dois seja encontrada.

Uma pessoa saudável, honesta, íntegra não dá motivos para que a outra a deixe, não procura articular situações para ser abandonada; ao contrário, assume a decisão de se separar quando percebe que a relação, por uma grave razão, não serve mais. Enfrenta o momento incômodo e doloroso com a sua vontade, sem se esconder debaixo de máscaras e atrás de mentiras.

Se a separação tiver de acontecer, que aconteça enquanto existir respeito mútuo. Muitas pessoas, inseguras sobre a conveniência ou não da separação, acabam fazendo uma série de bobagens e tolices que aumentam a tensão e geram o ódio para, assim, justificar a decisão de se separar. Com isso, buscam uma espécie de alívio, provocando uma situação que poderia ser evitada.

Duas pessoas podem chegar à conclusão de que, apesar de se amar, escolheram caminhos diferentes, não por maldade, mas para atender a desejos individuais e diferentes entre si.

É comum alguém se separar apenas externamente — evitar o contato pessoal—, mas não romper a relação dentro da própria cabeça e do coração. Nesses casos, a relação não resolvida pode levar a pessoa a não arriscar mais um novo amor por já não confiar em si, não ter mais prazer em amar e haver perdido a esperança.

Existem duas virtudes que sempre poderão ser utilizadas quando se compreende que a separação foi uma decisão errada: a humildade para procurar a pessoa que foi deixada e a coragem para procurar reconquistá-la, sabendo que ela poderá não estar mais disponível para você o tempo todo.

A separação é uma alternativa sadia para uma relação que se esvazia, mas não deve ser uma postura de vida que leve a pensar em ir embora toda vez que surge uma nova dificuldade. Por isso, vale a pena falar mos do tema da reconciliação como uma possibilidade igualmente sadia, recorrendo a uma antiga história.

PARA REFLETIR

Certa vez, o ancião foi procurado por dois jovens a quem havia abençoado fazia alguns anos e que agora falavam em separação. O sábio, percebendo que os dois se amavam, não viu motivo para que desfizessem a união, mas não conseguia convencê-los disso. Então presenteou-os com uma planta, dizendo-lhes: "Esta é uma planta muito sensível, Vocês devem deixá-la na sala, e quando ela morrer poderão se separar"
Assim foi feito. O casal colocou a planta no centro sala e ficou aguardando "ansiosamente" a sua morte.
Certa madrugada, ambos se flagraram com regadores em punho, cuidando da planta. Naquele dia, amaram-se como nunca.
A planta sensível era, na verdade, a relação dos dois.
O amor era forte a ponto de acordá-los em plena madrugada. Mas então o que estaria ameaçando aquela união?
O orgulho.
O orgulho que nos impede de pedir perdão. O orgulho que não nos deixa perdoar. O orgulho que não nos deixa dizer que ainda amamos.

FONTE: Livro Amar pode da Certo

Um comentário:

Ticia disse...

A separação é uma alternativa para aqueles que deixaram de amar, ou é benéfica quando a relação está trazendo prejuízos pra ambas partes. Contudo ainda que isso ocorra, ainda é louvável tentar uma reconciliação, se um dos dois optarem pela separação, o melhor mesmo é separar, porque como diz o meu amor, o encontro é feito a dois.
Beijossssssssss....