quarta-feira, 20 de abril de 2011

Procurando novas relações



fonte: imagem google


As relações humanas andam cada vez mais escassas. Paradoxalmente, nunca houve um momento na história em que tivéssemos tanto acesso à comunicação. A tecnologia hoje nos permite contato com qualquer país a qualquer momento do dia ou da noite. Mas relacionar-se é bem mais que manter qualquer forma de comunicação com o outro. É uma espécie de entrega por meio dos órgãos dos sentidos. É doar seu coração e sua mente ao outro e esperar o mesmo dele. Nisso se inclui toda forma de relação: a profissional, a amorosa, a social, a familiar.

O principal requisito para que consigamos adentrar esse mundo de troca é estarmos inteiros ou integrados a nós mesmos. Ao aprofundarmos o autoconhecimento, conhecermos quem somos, nossos anseios, nossas faltas, nossas alegrias, acabamos encontrando o substrato do humano, sendo mais fácil e mais natural alcançar o humano no outro lado da relação.
É muito importante que saibamos nossas reais necessidades, nossas faltas e anseios. Sabendo dessas coisas, é muito mais fácil manter um relacionamento.
Uma grande dica para que isso aconteça é, antes de iniciarmos um diálogo com o outro, nos questionarmos: "o que eu preciso do outro?", "o que eu realmente quero neste momento?". Ao respondermos a estas questões, estamos simultaneamente entrando em contato com nossa própria falta (autoconhecimento) e abrindo ao outro uma janela de possibilidade para que se estabeleça uma relação autêntica. Uma troca que nos alimenta em nossa real necessidade e alimenta o outro em sua qualidade de doador.

Ora, mas você poderia perguntar: "mas se eu disser ao outro que preciso dele ou de algo que pode me dar, não estarei me tornando vulnerável, rebaixado, expondo minhas fraquezas?". Sim! Você está sim expondo uma falta, uma necessidade. E pelo orgulho também inerente à raça humana é que é tão difícil essa exposição. Mas sem ela, não há como sabermos a necessidade e nem a obtenção do nosso desejo.
Se o orgulho prevalecer, há o grande de ocorrerem manipulações. Acabamos dizendo ou fazendo coisas para que o outro diga ou faça algo que queremos. Qualquer um que esteja do outro lado se sente manipulado, ainda que a sensação não seja consciente. E age futuramente da mesma forma. Ou seja, manipulando. Aí sim está encerrada qualquer possibilidade da relação autêntica.

Ao passo que, se utilizarmos a primeira pessoa do singular em qualquer diálogo, estaremos oferecendo a oportunidade ao outro de abrir a carcaça do orgulho e nos emprestar os ouvidos da alma. É dizer: "eu sinto muito a sua falta", ao invés de "você só quer saber dos seus amigos". A primeira frase expõe nossa falta e nosso desejo. A segunda é uma acusação, uma cobrança. Ninguém gosta de ser acusado ou cobrado, mas todos gostam de ser desejados e queridos.
Nada mais engrandecedor e corajoso do que poder admitir e encarar nossa própria imperfeição e incompletude. Por isso, é muito importante que saibamos nossas reais necessidades, nossas faltas e anseios. É assim que nos tornamos inteiros e aptos para estarmos em relação.


Fonte: http://www.minhavida.com.br/

4 comentários:

ร†ลи∂ вý ∂эรเφиэя disse...

Ola muito legal o seu blog
acesse o meu blog tambem e deixe o seu comentario
http://informacaodavida.blogspot.com
e se voce quise faze paceria adicione o meu msn designer_sousa@hotmail.com ate outra opotunidade...

Um brasileiro disse...

ola. tudo blz? estive por aqui. muito interessante. gostei. apareça por la. abraços.

Luh♥ disse...

oiii
adorei seu blog Eduardo
ja to seguindo
se quiser visitar o meu
o endereço é
http://coiisinhasdaluh.blogspot.com/
se puder me siga tbm
Paz...

Cheap Essay disse...

Thank you for sharing such relevant topic with us. I really love all the great stuff you provide. Thanks again and keep it coming.