O QUE UM AMOR A DOIS PODE AGUENTAR?

  


As pessoas, freqüentemente, têm a ideia de que o amor vai resistir a tudo. Acreditam que o parceiro sempre vai entender, aceitar e perdoar atitudes de desrespeito ou outras que poderiam abalar o amor.
Eduardo Bechara

Será que o amor resiste a tudo?
O que um amor a dois pode aguentar?
Muitas vezes o amor é lindo e grande, mas é submetido a uma carga maior do que as gratificações da relação. O amor pode suportar conflitos familiares, pessoais, ciúme, doenças, falta de dinheiro, crises de ansiedade... 
Mas não pode suportar a indiferença, a desonestidade afetiva, a mentira sentimental e o desprezo.
Não adianta nada você dizer a alguém "Eu te amo" simplesmente por dizer, sem esta amando de fato. É desgastante para o amor quando você, por exemplo, entra numa relação sexual sem vontade, apenas para agradar ao parceiro ou para cumprir uma obrigação. Essa desonestidade em relação a si próprio só vai gerar mais confusão. A pessoa fica sem entender o que se passa, porque o que ela ouve de você não corresponde à verdade interna que você, de alguma forma, manifesta através de pequenos gestos denunciadores.
Se você tem por habito pensar que, se seu par o ama, vai entendê-lo mesmo que você não expresse o que está sentindo, engano seu. Ele poderá concluir, a partir de seu silêncio, que você não confia mais nele ou que não ama mais. Como todas essas manobras ocorrem apenas no nível de pensamento, sem comunicação direta, a conseqüência poderá ser o afastamento um do outro, sem que nenhum dos dois saiba exatamente o que está acontecendo e tenha uma possibilidade de ajuda.
Pode ocorrer que, em seus momentos maus, você descarregue a ansiedade ou a raiva no seu par, na ilusão de que quem ama tem de aguentar tudo. É claro que você pode desabafar, desde que deixe bem claro que ela nada tem a ver com a pessoa que esta junto de você. Peça apenas os ouvidos emprestados e diga que é a confiança que o leva a esse desabafo.

Refletindo com Edu!
Se você chega em casa — depois de um dia exaustivo e tenso de trabalho, quando as coisas não correram bem — e está a ponto de explodir, declare isso o mais rápido que puder, dizendo algo do tipo: "Não estou nada bem. Meu dia foi horrível. A minha irritação não tem nada a ver com você". Ou: "Preciso que você me escute; sinto necessidade de desabafar com alguém em quem confio. Estou muito chateado pelas coisas que aconteceram hoje..." Se você se trancar no mutismo e na irritação, o mais provável é que qualquer fato que aconteça, por mais irrelevante que seja, o leve a despejar seu mau humor na companheira e a canalizar toda essa energia contra ela, que, sem saber o motivo de tanta agressividade, poderá imaginar que há algo de errado entre ambos. E cabe a quem está tranqüilo, sentindo-se bem, aceitar que o amado esteja atravessando maus momentos e ajudá-lo a ficar bem.
Por outro lado, mesmo que o outro não diga nada, o parceiro que percebe alguma mudança de um dia para o outro pode fazer uma pergunta como: "Vejo que algo erra do aconteceu. Posso ajudar? Quer contar o que se passou?"

Finalizando para recomeçar
O importante é que ambos entendam que no amor, como em tudo, há um limite.
 O avião não pode levantar vôo se o limite de peso da carga for ultrapassado.
Um elevador não pode ser operado com um número excessivo de pessoas em seu interior.
 A terra tem seu limite para suportar a seca, a chuva ou o desmatamento. Para tudo existe um limite de resistência e, quando se exige demais, o risco de rompimento é grande.
Casais que vivem permanentemente em crise em geral estruturam suas relações de tal forma que o peso das desqualificações é maior do que a capacidade das pessoas de sentir-se amadas.

Pense com Edu!
Na verdade, não é o amor que é limitado; o limite está nas pessoas.

Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : Roberto Shinyashiki e Eliana Dumêt.  
³ Fonte imagem : https://simonecosta.files.wordpress.com
Livro de Referência: SHINYASHIKI, Roberto T,  e ELIANA, Dumêt. Mistérios do Coração. São Paulo: Gente, 1998
                                   POWELL, Jonh. Porque tenho medo de amar?. Belo Horizonte: Cresce , 2004.

Written by Eduardo Campos all rights reserved.

Comentários

Anônimo disse…
Olá Edu, lendo esse texto gostaria de pedir sua ajuda. Namoro há 1 ano e meio e mês passado resolvi baixar o whatsapp pra conversar com as minhas amigas, só que me adicionaram em um grupo, sendo que meu vizinho me adicionou no pessoal, ai começou a desejar bom dia, deixa recados e puxar conversa comigo... Resumindo fui me envolvendo nas mensagens acabamos saindo para conversar 2x escondido dos meus pais e do meu namorado, mas não rolou absolutamente nada, apenas conversamos. No fim de semana fui dormir na casa do meu namorado e ele acabou descobrindo, brigamos e ele me chamou de vários nomes e contou tudo para os meus pais. Alguns dias depois conversamos e expliquei que não tinha acontecido nada, ele me perdoou e voltamos a namorar, porém ele sempre fica falando indiretas e me lembrando do que eu fiz pra mim me sentir mal, estou muito arrependida do que eu fiz e quero continuar meu namoro, mas não aguento mais ele me jogar na cara meus erros, o que eu faço?
Eduardo disse…
Boa Noite! Você pode enviar essa sua pergunta para o email edu.com28@yahoo.com.br
Anônimo disse…
Eduardo me permita um desabafo e ao mesmo tempo uma dica para perceber a traição...
Parece loucura mas aconteceu comigo e pode acontecer com qualquer um.
“Me casei a um ano atrás, quando ainda namorávamos já tinha um certa desconfiança em relação ao whatsApp...quando eu ligava pra ele a noite antes de dormir conversamos e ele sempre dizia “amor estou cansado quero dormi” ai a gente se despedia pra dormir... Pela manha quando eu acordei peguei o telefone para enviar um zap desejando bom dia... tomei um susto! Chequei o horário que enviou ao último zap ... 1:42 da madrugada... a segunda vez 2:45 da madrugada... Enfim...
Vamos para vida de casados... De uns tempos pra cá eu andava percebendo que meu agora EX marido sempre deixava a data/hora do ultimo login do whatsApp o mesmo número no final, por ex: 14:03hs, 14:33 hs, 14:43 hs, ou seja com final 3… Outro dia só com final 2 por ex: 16:22, outro dia só com final “5” 12:45 hs etc..
Enfim, achei isso muito estranho, como toda mulher desconfiada investiga melhor do que CSI, resolvi mexer meus pauzinhos, enquanto ele dormia peguei o celular dele e passei todos os contatos dele para o meu celular e fiquei vigiando pelo menos 8 horas por dia o horário que cada um desses contatos entravam on line. Percebi que ele ficava seguindo uma tal de Ruth, deixa eu explicar a vocês, se por exemplo o ultimo login (data/hora) dela fosse 11:12 hs ele deixava o dele 11:22hr por, se fosse 15:38hr logo ele deixava por ex 16:08 hs, ou seja, sempre copiando o ultimo dígito do horário. Claro que as vezes caia um antes ou um depois em virtude do sinal que poderia cair mas era difícil...
Fiquei 2 semanas vendo isso pra ter certeza que não era coincidência. Certo dia, numa quarta feira que era dia dele chegar mais tarde do futebol eu resolvi segui-lo na saída do trabalho e foi quando percebi um caminho diferente da quadra onde ele jogava futebol. Depois de uns 10 minutos uma mulher de cabelos longos pretos entra no carro dele, eu friamente continuei seguindo até que eles entraram em um motel, antes mesmo dele sair eu joguei todas as coisas dele para fora da minha casa. O que parecia uma simples loucura sem noção de uma ciumenta era na verdade a ponta do iceberg.
Escrevi a minha estória para alertar, se você desconfia do seu marido ou da sua esposa, por mais imbecil que seja a desconfiança, investigue porque: ONDE HÁ FUMAÇA HÁ FOGO.”
Anônimo disse…
Mas seria bom que soubessemos a. Resposta de eduardo. Se. Eduardo responder no email nos nao saberemos qual seria a resposta para q questao acima. Dar responder aqui?
Eduardo disse…
Olá, Boa Noite! Gostaria de agradecer a sua visita, seu desabafo, sua dica, sua Estória e seu comentário no meu blog. Obrigado!
Penso que as redes sociais não conseguem determinar sozinhas nenhuma mudança na vida de um casal. O mundo virtual é apenas mais um fator que influencia na vida das pessoas. O veículo em si é fantástico, mas o uso que você fará dele vai depender do seu mundo mental...