sábado, 8 de agosto de 2015

SINTO FALTA DA SENSIBILIDADE...


SENSIBILIDADE...
                                           Marilene     
                      Sinto falta de uma sonora gargalhada ...
                       Por que ninguém mais ri,
                       Despudoradamente,
                       Meneando a cabeça
                       Movendo o corpo
                       Abraçando a vida?
                       Só encontro meros sorrisos,
                       Na maioria contidos,
                       Como se mostrar alegria
                       Ainda que por instantes
                       Fosse proibido

                       Sinto falta de demonstrações reais de felicidade ...
                       Por que elas apenas aparecem,
                       Falsificadas,
                       Nas redes sociais?
                       Só encontro faces fechadas
                       Pessoas apressadas
                       Como se uma pequena pausa
                       Para olhar o céu,
                       Sem qualquer véu para se cobrir,
                       Fosse perda de um precioso tempo
                       Que, certamente,
                       O relógio desconhece

                       Sinto falta de mãos entrelaçadas ...
                       Por que o toque é dispensado,
                       Os braços caminham em abandono
                       As mãos se ocupam de coisas outras
                       Esquecendo o afeto
                       Que pelas ruas não se presencia?
                       Só encontro "ficantes" desinteressados,
                       Oportunistas sem real sentimento,
                       Para os quais até a troca de olhares
                       É cansativa e dispensável
                       Pois estão presos aos modernos dispositivos
                       De equivocada comunicação

                       Sinto falta da verdadeira emoção,
                       Aquela transparente nos mínimos gestos ...
                       Da cumplicidade espontânea
                       Do carinho que ignora outros olhares,
                       De gente que se mostra
                       De gente que sente
                       E não se envergonha
                       Ao demonstrá-lo pelos quatro cantos
                       Dos espaços por onde passa

                        Sinto falta da tão ausente naturalidade ...
                        Aquela que já guiou nossos passos
                        Em outra idade,
                        Do riso franco, encantado,
                        Da magia dos antigos enamorados
                        Que em sonhos traçavam planos
                        Sem preocupação com os anos
                        Ou com a realidade,
                        E capazes de amar até a saudade.

                        Talvez sinta falta, de verdade,
                        De todas as demonstrações
                        De sensibilidade ...
                        Por que se foram?
                        Por que se esconderam?
                        Com sua fuga, deixaram em seu lugar
                        Apenas carências,  insatisfações,
                        E um céu nublado,
                        A encobrir a luz dos corações

¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : Marilene 
³ Fonte imagem : http://static.frasesparaface.com.br/magoar-quem-a-gente-gosta-doi-na-gente-mesmo.jpg



Nenhum comentário: