terça-feira, 29 de setembro de 2015

ATÉ QUANDO MEU DEUS?




Quantas vezes você já indagou por quanto tempo ainda conseguirá aguentar as dificuldades que o atormentam?
Quantas vezes, pela manhã, ao despertar, você se sente sem forças para enfrentar o dia que surge?
Quantas vezes já disse a si mesmo que chegou ao limite de suas energias, que não aguenta mais?
E, no entanto, você prossegue, dia após dia, nas lides do trabalho, nas problemáticas familiares, nos embaraços financeiros, enfim...
É bastante peculiar essa capacidade que tem o ser humano de não se entregar, mesmo que pareça estar em quase desfalecimento.
Mais de uma vez, com certeza, você já ouviu falar de crianças e bebês encontrados com vida, após dias de soterrados. Como se recusassem a desistência da luta, da vida.
E nos recordamos dos sofrimentos das mulheres que vivem em países onde lhes são negados quaisquer direitos. Sem direito à escola, a atendimento médico, a tratamento humanitário.
Mulheres que em plena adolescência, ou ainda na meninice, são dadas em casamento a homens, quase sempre bem mais velhos que elas. Elas têm seus sonhos destroçados, suas vontades menosprezadas.
Mulheres que sofrem espancamentos por nada e por coisa alguma. Porque ousaram conceber uma menina, quando o marido aguardava um menino. Porque tentam andar sozinhas pelas ruas, porque planejam fugir, porque erguem a tonalidade da voz. Os maus tratos são rotina. E ninguém se importa. O que faz um homem, portas adentro de seu lar, com a esposa ou filhos, não é da conta de ninguém. Os anos passam e elas vão acumulando no corpo as marcas dos espancamentos: dentes faltando, lacerações, hematomas.
Algumas fogem da vida, por não enxergarem perspectivas de alterações positivas, em suas existências.
Outras, corajosas, optam por estabelecer objetivos para si mesmas. Objetivos que as mantêm vivas e as fazem não desistir: a vida de seus filhos, a sua liberdade, a liberdade de seu país.
Como uma rocha, enfrentam os ventos turbulentos. Choram, lamentam, mas não desistem.
Quantas agressões pode suportar um corpo humano?
Qual o limite?
Algumas ainda carregam a generosidade n'alma, para socorrer seres que creem mais infelizes que elas mesmas.
Uma generosidade que não se abala, nem se contamina pelos desapontamentos e desilusões de cada dia. E quando têm a oportunidade de fazer algo a benefício de outrem, se entregam até ao sacrifício da própria vida.
São exemplos. Por isso, quando as forças lhe estiverem falhando, pense que dentro de você ainda existem energias. E não se deixe derrotar, jamais.
Um dia, o panorama se modifica. A noite se transforma em alvorada. Aguarde pelos raios da madrugada nova e não se entregue ao desânimo, em circunstância alguma.
O sol pode demorar a surgir, mas sempre ressurge, afagando a vida e renovando a esperança.
Aguarde, sem abandonar a luta.
Amanhã, amanhã pode ser o dia da sua libertação do círculo das dores. Espere.

Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : R M E -  Eduardo Campos Em 11.05.2009.
³ Fonte imagem : http://www.intercambio7.com.br/sims-e-naos-para-seu-intercambio.jpg
Livro de Referência: livro Nossos filhos são Espíritos, Hermínio  Miranda, ed. Arte e cultura.


Written by Eduardo Campos all rights reserved.

Nenhum comentário: