quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Contágio do bem


       
A jovem era muito linda. Entrou no avião e começou a buscar com os olhos um lugar especial.
Poucos passageiros haviam adentrado e havia muitos lugares vagos. Ela parecia não estar satisfeita com a poltrona que lhe fora previamente marcada. Finalmente, olhou para um senhor de cerca de quarenta anos, aproximou-se e se sentou na poltrona ao seu lado.
Ela trazia a amargura estampada na face e a solidão de sua alma parecia extravasar por todos os poros.        
Não se passaram muitos minutos e ela tentou entabular uma conversa com o companheiro de viagem.        
De início, ele se fez arredio mas, como ela insistisse, ele aquiesceu e começaram uma conversa que se prolongaria pelas duas horas de vôo.       
Ela se mostrava ansiosa por encontrar alguém a quem pudesse dizer das suas dificuldades.
Era uma alma desejosa de orientação, de socorro. E aquele senhor, por sua formação moral e religiosa, ofereceu-lhe, naqueles 120 minutos, material suficiente para que ela pudesse refazer a sua vida.        
Ela se corrompera aos 14 anos. Dizia ter perdido tudo o que uma pessoa tem de bom, de lindo e de digno.        
Tudo para ostentar jóias caras, essas coisas que convencionamos ser de valor.        
Ele lhe falou de solidariedade e espancou as nuvens densas em que ela se envolvia, apresentando-lhe o sol da boa vontade.        
Falou-lhe de dignidade, de melhoria.
Convidou-a a uma nova vida.        
Ao final da viagem, ela lhe disse que não sabia, exatamente, se poderia colocar em prática tudo o que ele lhe falara. Mas que tentaria começar uma vida nova. Ao se despedirem, ela o olhou e afirmou: O senhor tem o rosto tão alegre. Desde que me sentei ao seu lado, vi que o senhor estava sorrindo.         Não sorrindo com os lábios, não. Era algo especial, que vinha do senhor. Por isso escolhi me sentar ao seu lado. Estava imensamente triste e desejava me contaminar.

Refletindo com Edu!
Que interessante a afirmativa da jovem. Desejava contaminar-se.   Porque todos falam em contágio da doença e ninguém se recorda do contágio da saúde. Esquecemo-nos de que a alegria, o bem e o amor também contagiam.        
Dessa forma, é preciso se ligar às pessoas boas e ser uma delas.         Deixar-se contagiar pelo bem. E mais importante ainda: permitir-se ser uma pessoa alegre, otimista, dinâmica.        
Alguém que possa contaminar muitas pessoas, especialmente nesses dias em que impera a tristeza, o pessimismo e as criaturas se entregam tanto ao desânimo e ao rol das incertezas.

Pense com Edu!
Em toda parte, onde transites, faze o bem com as tuas mãos e com o coração. Utiliza a oração e esclarece com tua palavra fraterna, a fim de que te tornes um pequeno sol, iluminando alheias vidas. Deixa que as tuas mãos se transformem em estrelas brilhantes alcançando o infortúnio e iluminando as estradas do mundo.

Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : R M E -  Maria Anita Rosas Batista / A jovem do avião, do e no verbete Bem
³ Fonte imagem : http://2.bp.blogspot.com/_menina+sorrindo.jpg
Livro de Referência: O jovem que escolheu o amor, pt. II, de Maria Anita Rosas Batista, ed. Pierre-Paul Didier
     Repositório de sabedoria, v. 1, Joanna de Ângelis e Divaldo Franco, ed. Leal.


Written by Eduardo Campos all rights reserved.

Nenhum comentário: