segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Todo homem desonesto tem um preço



Quando alguém nos pergunta se somos honestos, em princípio, ficamos indignados, só em pensar que alguém duvide de que o somos. No entanto, é importante que reflitamos um pouco a respeito da honestidade. Grande parte de nós nos dizemos honestos, mas será que verdadeiramente o somos?
Quando limpamos o jardim, por exemplo, nunca jogamos a sujeira no quintal do vizinho?
Saindo de um emprego, damos entrada no Seguro Desemprego. Logo, estamos empregados novamente. Comunicamos ao órgão competente que não necessitamos mais receber o seguro ou pedimos ao novo patrão que espere alguns meses para fazer o registro na carteira para que possamos receber em dobro?
Se estamos dirigindo um veículo e raspamos noutro que está estacionado, cujo dono não está por perto -  qual é a nossa atitude? Damos no pé ou deixamos um bilhete com o telefone para posterior contato?
Enfrentamos com honestidade a longa fila dos bancos, teatros, repartições, etc. ou sempre ficamos procurando um conhecido ou um jeito qualquer de passar à frente dos que chegaram antes de nós?
Se vamos a um espetáculo qualquer, costumamos marcar os lugares com bolsas, carteiras ou outros objetos, para que nossos amigos, que cheguem em cima da hora, possam ocupar os melhores lugares, em detrimento dos que se esforçam e chegam cedo?
Se em épocas de eleições necessitamos pintar a casa, colocar vidros nas janelas, ou temos outra necessidade qualquer, procuramos um candidato para oferecer o nosso voto em troca de tais benefícios ou esperamos até que as possamos efetuar com nossos recursos?
Tendo urgência no despacho de um processo em determinado órgão, esperamos o trâmite natural ou tentamos dar um jeitinho de ludibriar os que não têm condições de dar o conhecido jeitinho?
Se trabalhamos no setor de compras de uma empresa, procuramos realmente os melhores preços e condições de pagamento, pensando exclusivamente no melhor para a nossa empresa, ou compramos onde nos ofereçam mais vantagens pessoais?
Ouvimos, várias vezes, o jargão popular afirmar que todo homem tem um preço. No entanto, para a honestidade não há preço, não há barganha, não há corrupção, nem corruptores. A dignidade de um ser humano honesto não tem preço, pois seu valor é inestimável. Dessa forma, poderíamos alterar o jargão popular e dizer: todo homem desonesto tem um preço, porque a dignidade jamais se corrompe.
Se ainda não conquistamos a virtude da honestidade como deve ser, lutemos por conquistá-la, a fim de podermos olhar no espelho e não nos envergonharmos da figura ali refletida.  Olhar nos próprios olhos e nada ter que censurar.

Refletindo com Edu
Ser honesto é agir de conformidade com as Leis Divinas. É não tentar ludibriar a própria consciência porque, mais cedo ou mais tarde, ela nos apresentará a conta dos nossos equívocos. Se o honesto hoje ainda é uma raridade,  podemos inverter esse quadro, engrossando as fileiras dos que são verdadeiramente honestos. Agindo assim, de nada teremos que nos arrepender.

¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : R M E -  
³ Fonte imagem : http://www.intercambio7.com.br/sims-e-naos-para-seu-intercambio.jpg


Nenhum comentário: