sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

VOCÊ TEM MEDO DE AMAR?



VOCÊ TEM MEDO DE AMAR?


Quantas vezes, nesta semana, você teve vontade de convidar alguém para sair, para conversar, para ir à praia ou ao cinema, e não o fez, temendo que a pessoa pudesse não ter tempo ou que não gostasse de sua companhia, e, desse modo, acabou sentindo-se rejeitado sem ao me nos ter tentado?




  1. Quantas vezes você se apaixonou sem que o outro jamais soubesse do seu amor?

  2. Quantas vezes você abandonou alguém, com medo de ser abandonado antes?

  3. Quantas vezes você sofreu sozinho, com medo de pedir ajuda e ficar "dependente" de alguém?

  4. Quantas vezes você se afastou de um grande amor, com medo de se comprometer?

  5. Quantas vezes você não se entregou ao amor por medo de perder o controle de sua "liberdade"?

  6. Quantas vezes você tomou um choque sem tocar no fio?

    Experiências dolorosas do passado podem provocar um medo absurdo de novos sofrimentos. As pessoas se esquecem de que nem todos os fios estão eletrificados, de que nem todas as portas estão fechadas, de que nem todas as mas são mas sem saída. Um amigo pode não ter tido tempo para você alguma vez, o que não significa que ele não o ame ou que outra pessoa não queira estar com você.
    Devido a algumas experiências de rejeição e de desqualificação na infância, na adolescência ou até na maturidade, reagimos perante homens e mulheres como se eles fossem os senhores do bem e do mal, com poder de nos fazer sofrer ou de nos fazer felizes.
    Por falta de amor, compreensão e segurança, a criança pode desenvolver-se com um caráter inquieto, tornar-se incapaz de dar felicidade a si mesma ou a quem quer que seja, envergonhada do amor que sente por alguém — da mesma maneira que se sentia mal ao pedir, mais uma vez, que o pai brincasse com ela, mesmo sabendo que a resposta seria negativa.
    É verdade que um grande amor sempre traz consigo a possibilidade de uma dolorosa perda. Uma das poucas certezas que temos num relacionamento é que ele pode terminar. O coração do amante, a cada encontro e a cada despedida, sente a fragilidade da vida. E quem não aprender a conviver com essa fragilidade tenderá a estruturar relações de pouca profundidade e fadadas a um fim próximo. Por ter medo do muito que o amor pode dar, e tirar, rejeita-o em bloco.

    Texto do livro:"Amar Pode Dar Certo

2 comentários:

Anônimo disse...

ENGRAÇADO EU JAMIS PENSEI Q HOUVESSE UM BLOG ASSIM VIU !LINDO SO ESSE PEQUENO TEXTO SOBRE O MEDO DE AMAR FORMIDAVELLLLLL PARABNES TBM SOU EDUCADORA DE UM BAIRRO POBRE AQUI EM PERNAMBUCO E ADOREIIIII SIMONE-A-LIRA simone-a-lira@hotmail.com

SAWYER disse...

Jamais pensei que um dia veria na internet um tema falando exatamente o que passei e o que sinto :
"Por falta de amor, compreensão e segurança, a criança pode desenvolver-se com um caráter inquieto, tornar-se incapaz de dar felicidade a si mesma ou a quem quer que seja, envergonhada do amor que sente por alguém...Devido a algumas experiências de rejeição e de desqualificação na infância"
tenho 19 anos e até hoje fugi de inumeros relacionamntos...ja me sinto acomodado com isso e decidi ficar sozinho , com o coração fechado