quinta-feira, 30 de abril de 2015

Estou tão bem, que estou até com medo!

 Será que esse medo de amar existe mesmo?



Todos nós seres humanos possuem um grande objetivo na vida: viver em estado de pleno amor. Talvez poucos coloquem desta forma, mas o importante  é a percepção da possibilidade de viver sem ter  se preocupa com o amor pelo simples fato de dispor ter em abundância. Infelizmente, a realidade da maioria é o permanente estado de carência, de miséria afetiva, conjugado com a solidão . com um casamento sem amor, ou em relações superficiais sem um envolvimento profundo.
O grande medo do homem moderno é o de amar, que é tão grande quanto o medo de não ser amado. Cada um de nós sabe que amar alguém pode causar uma sensação de fragilidade e dependência; a presença do outro torna-se vital, e a possibilidade de ser abandonado, a qualquer momento, fica tão ameaçadora que, em geral, as pessoas optam pela saída mais fácil: sabotar a possibilidade de viver um grande amor.
Eis aqui um enorme dilema para o ser humano: querer viver um grande amor, e  procurar o tempo todo destruí-lo. Certamente, as tentativas de destruição não são feitas de modo deliberado, mas realmente que conta é o resultado final.

Para refletir
“Imagine o caso de uma amiga”.
É uma sexta feira e você vê, ao longo, no corredor da faculdade sua amiga Sophia. Ela está esplendorosa, radiante. Sua aura brilhante está à mostra. Ao se aproximar, você a cumprimenta com entusiasmo e pergunta o que esta acontecendo...Ela responde que encontrou o homem de sua vida, alguém inteligente, culto, sensível, bonito, que tem uma conversa com muita participação e respeito, para completar, diz: "não entendo como um homem tão legal ainda não se tenha casado! Agora que encontrei, tenha certeza de que vou fazer tudo para da certo". Ela se despede e você sai todo feliz, por ver que sua amiga, por fim, encontrou alguém que a motivasse e amar e a viver um grande amor. Uma semana depois, você a encontra outra vez e percebe que ela já não esta tão brilhante. Seus passos não são tão firmes e, quando você lhe pergunta: "como está indo o namoro do ano", ela friamente, responde: "esta indo" Você pensa: "Como um namoro com um homem tão sensacional, em menos de uma semana, pode ficar simplesmente legal?" Ela continua sua narração, dizendo: "Estamos nos dando conta de um monte de desacertos”... “Eu acho que ele me tolhe muito”... “estou me sentindo sufocada”, “mas vamos levando". Vocês se despedem e uma serie de imagens, de relações com pessoas especiais que você amou e das quais, por sensação de sufocamento, separou-se, começa a aparecer em sua cabeça. Quando você encontra, algum tempo mais tarde, ela esta visivelmente de baixo astral, com a aparência de que algo ruim aconteceu. Antes de você falar alguma coisa, ela diz: "não deu certo, nós nos separamos. Foi melhor assim; pelos menos nós nos respeitamos e não nos machucamos". Sem mais comentários ela se despede de você; cada um vai para seu lado e você continua pensando como pode acabar, tão rápido, algo que tinha tudo para dar certo. Será que foi exatamente porque ia dar certo? Será medo de que desse certo? Será que esse medo de amar existe mesmo”?

Finalizando para recomeçar
 Esse medo faz com que as pessoas arrumem desculpas e justificativas para explicar suas inseguranças. Ele é parte da nossa vida. Negá-lo ou sair para  inventar respostas fáceis é o que menos resolve. O melhor, sem duvida, é esta atento para esse medo, dar um mergulho na propria vida e perceber que, no fundo, não importa quem seja o parceiro quando se está decidido a ficar sozinho, por medo de ser abandonado outra vez.

¹ Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
Contato: edu.com28@yahoo.com.br
² Fonte texto : POWELL, Jonh.
³ Fonte imagem :http://edgblogs.s3.amazonaws.com/mulher7por7/files/2012/02/heart
Referência:  POWELL, Jonh. Porque tenho medo de amar?. Belo Horizonte: Cresce , 2004.

Written by Eduardo Campos all rights reserved.
  

7 comentários:

Anônimo disse...

Legal este texto... Levei uma boa sacudidela, rs.

Anônimo disse...

O medo de amar impede qualquer tipo de relacionamento. E não creio que fugir das emoções e dos sentimentos evita a dor, porque ninguém pode ser feliz olhando apenas para dentro de si mesmo. Bjs.

Anônimo disse...

Muitas vezes sem saber somos nós mesmos que nos ferimos com medo de amar

Anônimo disse...

Oi Edu, costumo dizer: O que vale trancar um coração vazio? Amar sempre vale a pena...quem ama vive com mais alegria!!!

Anônimo disse...

Fechar-se por medo de viver é triste, inspira pena. Gosto de pessoas que irradiam vida, mesmo que seu viver por vezes encontre com a adversidade: essas pessoas se superam e da dor extraem sabedoria!

Anônimo disse...

"Às vezes, a solidão é boa companhia. Mas quase sempre precisamos lembrá-la educadamente de que visitas têm hora de ir embora."

Karlinha disse...

Nossa Eduardo viajei no meu passado ou melhor na minha vida com seu texto...