SOPHIE E AS ESTRELAS DO CÉU!




“ Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas. Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música. Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas. Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes".
 Rubem Alves
  
- Papai, papai – perguntava a pequena Sophie ao lado do pai a contemplar as estrelas que bordavam o escuro da noite. – O que são estrelas?
- Para os homens de ciência , minha filha, são astros que ocupam seus lugares no espaço sem fim, possuindo inclusive nome de grandeza. Para os poetas, são pinceladas de luz na tela da noite para compensar a ausência do sol. Para outros, representam as almas das pessoas boas que viveram na Terra e agora, lá do alto, continuam a olhar e a pedir a Deus pelos homens, minha filha.
- Mas, papai, se as estrelas são coisas assim tão bonitas, por que Deus as colocou tão longe de nós? Nunca poderemos alcança-las?
- As pessoas bondosas minha filha, ensinam que podemos encher a nossa alma com um gás chamado “Amor”. Esse “amor” funcionaria como gás que enche os balões, tornando-os leves e permitindo que subam em direção ao céu, minha filha...


Para refletir
Pois é meu amigo e companheiro do blog. Bela explicação proporcionou o delicado e experiente pai à filha... E você? Como vai o seu “balão”, em termos de gás do “amor”? Você tem procurado todos os dias colocar um pouquinho dele na sua alma? São tantas as oportunidades, não é mesmo?
Por meio de um sorriso que não nos custa nada, a não ser o preço da gratidão por estarmos mergulhados na vida.
A atenção que possamos dar a uma pessoa idosa, auxiliando-a a colocar sentindo em sua existência.
Respondermos com paciência àquele que já perdeu a dele.
Tolerarmos os problemas no transito sem darmos nascimento ao sentimento de cólera.
Sermos o foco de equilíbrio dentro do próprio lar, calando-nos, ou expressando-nos quando os momentos assim exigirem.

Termos tempo para o diálogo amigo com o cônjuge, com os filhos e os pais idosos.
Cumprimentarmos com sinceridade a serviçal que porventura nos sirva no lar.
Não maltratarmos os animais, compreendendo que eles também são criaturas de Deus.
Regamos as plantas que enfeitam o jardim de nossa casa.
Promovemos a higiene do lar e do próprio corpo para que tenha saúde.
Ganharmos o pão com o trabalho dignificante e dignificado.
Compreendermos o “chefe” em seu momento de cólera ou ao empregado nos seus instantes de preocupações que desconhecemos.
 Atendermos ao telefone mais do que três vezes seguidas sem proferir nenhum impropério.
Agradecermos, mesmo que mentalmente, o alimento que nos abençoa à mesa; o agasalho que nos protege das intempéries; o calçado que polpa nossos pés das pedras do caminho.
Orarmos a Deus também para agradecer e não tão somente para pedir infinitamente.
Repararmos na beleza com a que a noite prepara o nosso sono e o convite do sol que nos estende as mãos através de múltiplos raios com a proposta de recomeço.
É, meu amigo, são essas pequeninas coisas, que esquecemos quase todos os dias, que vão adicionando o gás do amor nos balões de nossas almas, permitindo-nos o vôo em direção ás estrelas, para apanhá-las como dourados frutos de uma existência na qual conseguirmos ser pequeninamente úteis.
Muitas pessoas pensam em ser grandes, ser capazes de grandes realizações sem aprender antes disso a serem pequenas. Procuram crescer sem o alicerce, discreto mas sólido, e acabam por ruir nas tentativas, como desmorona o imóvel sem o adequado sustentáculo.
Deus conhece o limite de cada criatura e sempre que estivermos fazendo o que nos é possível verdadeiramente, apesar de parecer coisas tão pequenas, estaremos participando da obra d´Ele positivamente.

Pense com o Edu! -Você pode e vai, tenho a certeza, começar, com essas aparentemente desprezíveis atitudes, a extrair a sua cota do gás do “amor” que, um dia, o fará tão leve que partirá da terra rumo ás estrelas como criança feliz caminha em direção do seu brinquedo preferido.

Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : Ricardo Orestes.
³ Fonte imagem : http://1.bp.blogspot.com/-- RyCphYDV5eM/s1600/pai e filha l_olhando_estrela_cadente_.jpg
Livro de Referência: Forni, Ricardo Orestes. Bom Dia Mesmo! Editora EME, Capivari – SP. 2005
Written by Eduardo Campos all rights reserved.


Comentários

Anônimo disse…
Lindo poético muito reflexivo! Edu você é a estrela que sempre nos encanta. Um dia iluminado para você.
Anônimo disse…
Um sorriso a mais no teu dia e uma estrela a mais no teu olhar por esse texto maravilhoso...
Barbara disse…
Meu Irmão! Lindo! Lindo! deixo-te um punhado de sorrisos a brincar entre as estrelas, enfeitando as horas dos teus dias. Com meu carinho sua Irmã Barbara!
Anônimo disse…
Eduardo Meu amigo!Maravilhoso e lindo o teu texto... quando temos a oportunidade de passar ao outro o que já sabemos é muito bom, temos que aproveitar o ensejo, isso dá-se também quando nos colocamos no lugar do outro, pois entendemos que se fosse conosco também íamos querer que nos ajudassem. Parabéns por compartilhar tantos ensinamentos...
Elizabeth disse…
Temos que dar atenção às pequenas coisas, que significam tanto!Contudo, existem lições de sabedoria que essas criaturinhas nos ensinam, todos os dias...
Eduardo disse…
Elizabeth você tem razão... A criança é alguém que nos diz, todos os dias, que é bom viver, que o mundo é belo e que não há limites para a mente humana. Ela nos afirma, com seu jeito de ser, que podemos sonhar, sem perder a esperança; que podemos sofrer reveses, sem cair no desânimo; que podemos preservar a saúde, mesmo que adversidades nos envolvam. Enfim, ela nos ensina que a esperança deve brilhar sempre em nossos olhos. Isto porque, depois deste dia, o sol despertará o amanhã e tudo terá o brilho do novo, do não conquistado, da alegria ainda não fruída.