terça-feira, 16 de junho de 2015

SOPHIE E SUAS MANEIRAS DE VER AS COISAS


“A infância tem as suas próprias maneiras de ver, pensar e sentir. Nada mais insensato que pretender substituí-las pelas nossas”.
JEAN-JACQUES ROUSSEAU

Eram duas crianças a brincar na praia, na manhã plena de sol. Tinham em torno de três anos e os olhos atentos das mães as vigiavam.
As meninas iam e vinham da beira do mar carregando água em seus baldinhos, construindo formas na areia.
Em certo momento, uma bola entrou na brincadeira. Ambas a queriam e cada qual segurou com mais força, tentando tirá-la da outra.
Finalmente, Ana Clara bateu meio que empurrando o rosto de Sophie e tomou a bola para si.
De imediato, as mães se aproximaram. Uma, repreendendo a filha pelo mau comportamento e insistindo que ela pedisse desculpas.
A outra consolando com carícias a agredida, que fazia carinha de choro.
Mas não passou muito tempo e lá estavam as duas novamente na areia. Sophie, a menina que sofrera a agressão, foi a primeira a recomeçar a brincadeira. Com sua naturalidade infantil, se aproximou da outra, abaixou a cabecinha, olhou-a no rosto e perguntou:
Você ainda está muito brava comigo?
Antes que a resposta saísse dos lábios de Ana Clara, lançou outra pergunta:
Quer brincar comigo?
E brincaram até a noite estender seu manto de estrelas e luar sobre a Terra.
Bom seria se fôssemos como essas crianças, capazes de ensinar, perdoar, esquecer e prosseguir juntos...

Para refletir
Quando Sophie se machuca, não importa se é um pequeno ou grande machucado, ela logo chora e procura o colo da mãe. Chorando, ela informa que está doendo, que aquilo a está incomodando muito.
Buscando o colo da mãe, ela deseja ser acarinhada, confortada, auxiliada.
Lição para o Edu: você não precisa suportar a dor sem chorar. E procure alguém em quem você confia para ajudá-lo. Pode ser um amor precioso, ou um amigo, um irmão. Enfim, alguém que lhe dê a mão.                                                           
Quando a Sophie cai de um brinquedo e quebra o braço, nem por isso deixa de, ainda com o braço engessado, subir no mesmo brinquedo. Deseja provar que é capaz, que consegue que vai vencer.
Lição para o Edu: Ensina desta forma, que não se deve desistir porque o negócio não deu certo ou porque foi reprovado em teste de seleção em uma empresa. O importante é não se deixar abater e continuar a tentar, até conseguir.
Quando Sophie está com sono, ela se aconchega, fecha os olhinhos e dorme. Se o coelhinho de pelúcia perdeu uma orelha ou o carrinho quebrou, assim mesmo ela dorme. E no sono, se permite sonhar. Sonha com lugares lindos, bolas coloridas, muitos brinquedos, sorvete, brincadeiras e amigos.
Nova lição para o Edu: se seu corpo assinala que está na hora de dormir, atenda-o. Recolha-se ao leito e descanse. Depois, você recomeçará as tarefas, e muito melhor. Não se permita a insônia por causa de coisas materiais. Se os índices da bolsa oscilaram, ou se sua conta bancária não apresenta tantos dígitos, durma mesmo assim. Seu corpo precisa recuperar as energias pelo repouso. Depois, você retornará às lutas, ao trabalho, às melhores decisões.                                                                                Quando Sophie brinca, ela se permite entrar em seu mundo de faz-de-conta e mergulha por inteiro. Ela fantasia, fala com seus bichinhos e bonecos, cria histórias, sonha de olhos abertos. Ela é o “homem” ou “mulher” que voa, o dono de uma grande fazenda cheia de animais, o astronauta a caminho do Infinito. Não há limites para a sua imaginação. E isso a satisfaz, a faz feliz.
Lição para o Edu: Com isso, diz ao homem que ele nunca deve deixar de sonhar e de perseguir os seus sonhos. Que deve se concentrar em seus desejos e perseverar. Tudo é possível àquele que trabalha, prossegue, não desiste.

Pense com Edu! Nunca te envergonhe de falar aos teus filhos sobre as tuas fragilidades – naturalmente observando os níveis de sua maturidade -, sobre as lutas que travas portas adentro do seu ser, dos teus medos e inseguranças, para que eles sintam que seus genitores são homens e mulheres normais, e, por sua vez, procurem ajudar-te com os recursos de que já disponham. Evitara, assim, a falsa postura de super-homem ou de mulher-maravilha, que não sofrem, não choram, não perdem e não comentem erros.


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : Momento Espirita.
³ Fonte imagem :http://imagem.band.com.br/f_139781.jpg
Livro de Referência: Repositório de sabedoria. Joanna de Ângelis  & Divaldo Franco. Editora LEAL. 2008
Written by Eduardo Campos all rights reserved.


8 comentários:

Anônimo disse...

Amigo, sempre que venho aqui e o tempo permite, gosto de clicar num dos títulos constantes da coluna lateral, e muitas vezes a postagem me traz algum esclarecimento. Hoje, no entanto, cliquei no título " Sophie e suas maneiras de ver as coisas" e toda a mensagem me trouxe momentos intensos de pura reflexão. Precisava "ouvir" a questão por um outro ângulo... Grata por, involuntariamente, ter-me proporcionado este momento.

Graça Silva disse...

Eduardo Deus abençoe você e sua família. Sempre que posso oro por ti, pois desde que conheci teu blog a +- dois meses atrás, tenho aprendido muito contigo e você tem sido um “psicólogo virtual” obrigado por tudo!! Que Deus lhe dê também muita saúde e disposição para continuar com esse trabalho maravilhoso.

Liana Brener disse...

Eduardo desculpa a intimidade! Você é casado? Tem filhos?

Anônimo disse...

É verdade Edu! Se a gente cresce com os golpes duros da vida. Também podemos crescer com os exemplos de Sophie e com os toques suaves que atinge nossa na alma!! Encantada com o texto! Deixo o meu carinho pra você em forma de abraço e o desejo de um lindo dia.

Helena disse...

Bom Dia!Eduardo lendo seu texto me lembrou de um pensador Alexandre Dumas que diz “Como é possível que, sendo as criancinhas tão inteligentes, a maioria das pessoas sejam tão tolas”? Você acredita que a educação deve ter algo a ver com isso?

Eduardo disse...

Bom Dia Helena! Esta é uma pergunta portadora de grandes motivos de reflexão para todos os educadores que desejam atingir seus nobres objetivos no campo da educação. É uma pergunta importante porque nos faz pensar que nossos educandos estão nos olhando e memorizando mais o que fazemos do que o que dizemos. Nossos gestos e nossas ações produzem lições mais efetivas dos que muitas palavras vazias, jogadas ao vento. Parafraseando “CALUNGA” ”Só o amor educa. Não existe educação real sem amor verdadeiro”. Mas, você briga, implica, reclama cobra, inferniza, e quer educar, ai não constrói!
Em relação as criancinhas... penso que quando crianças, somos como uma “argila frágil” ou mesmo como um “galho verde”, prontos para ser modelados ou direcionados pelos nossos pais e professores, que têm por missão desenvolver nosso potenciais como uma de suas grandes tarefas.
O caráter e o comportamento que seu filho assumirá no futuro dependem de como você esta moldando agora! Não transfira a responsabilidade pela educação de seus filhos para outras pessoas. É tarefa dos pais, em conjunto.
Ao chegar em casa, cumprimente-os com um alô carinhoso, comportamento que alegrará a todos. Existem algumas palavras que são indispensáveis: “Dê-me licença, Por favor e Obrigado”.
- Ensine seu filho a respeita as pessoas.
- Não discuta na presença de seu filhos.
- Não tome partido do seu filho quando este estiver errado.
- Não minta.
- Não apanhe tudo o que seu filho deixar desarrumado. Faça-o manter seus pertences organizados.
- Dê a seus filhos orientação religiosa – fé, trabalho, esperança e realização.
- Aproveite, ouça seus filhos, procure saber o que eles pensam.
- Educação e comportamento são hábitos adquiridos desde os primeiros anos de vida. Seus filhos devem ser educados para o mundo que existe dentro e fora do lar.
- Não exija de seus filhos comportamento que não condiga com o seu. A palavra, às vezes convence, mas o exemplo arrasta.

Cecília disse...

Tenho aprendido com seus textos Eduardo que a educação e a humildade norteiam nossas ações sempre para o melhor. Obrigada pelos seus posts que sempre nos levam a sérias reflexões de vida! Abraço,

Anônimo disse...

Viver é sempre uma grande lição. Todos os dias, à todo momento, com todos que estão à nossa volta, sempre aprendendo...