sábado, 27 de junho de 2015

UM BANHO DE IGARAPÉ DIFERENTE!


“A personalidade de uma criança é profundamente influenciada pelos pais, pelos professores e pelos adultos com as quais conviveu no cotidiano do lar, da escola, da rua”.
Eduardo Bechara

A menina Sophie se divertia com a mãe dentro de um igarapé na pequena cidadezinha no interior do Estado do Pará... Quando começou a ficar intrigada com o fato de a progenitora parar a todo instante para retirar da água uma teimosa formiguinha que insistia seguir seus instintos, em buscar o precioso líquido.
A mãe, pacientemente, apanhava com a palma da mão, o inseto que se debatia dentro daquele imenso volume de água, era retirado e colocado em chão firme. Minutos depois, lá estava a formiguinha novamente dentro da água, lutando para sobreviver, o que representava para ela tarefa impossível.
A Sophie, contemplando a cena que se repetia, dirigiu-se a mãe:
- Mamãe. Deixe essa formiguinha teimosa morrer logo! Não está vendo que a senhora tira esse bicho de dentro do igarapé e ele volta?!
A mãe sorriu do raciocínio imediatista da filha e procurou explicar-lhe:
 – Minha filha! Deus faz o mesmo conosco sem desistir! Por isso é nossa obrigação fazer também igual com aqueles que são menores!
- Como assim, mamãe? Nunca vi Deus tirar a gente daqui do igarapé!
 – Respondeu com ingenuidade a Sophie diante da colocação da mãe.
Soltando um sorriso gostoso, a mãe tentou explicar a filha.
 - Não, meu amorzinho! O papai do Céu não nos tira do igarapé não. O que eu quero ensinar-lhe é que somos teimosos como essa pequena formiguinha que não entende que encontrará a morte nas águas desse pequeno igarapé. Nós somos iguais a ela quando erramos muitas vezes na vida, e Deus, pacientemente, nos recolhe com muito amor não deixando que nos afoguemos nos erros da existência, dando-nos novas oportunidades de recomeçar e acertar...

Para refletir
Pois é meu amigo leitor, creio como você que aquela criança não entendeu aonde a mãe queria chegar em seu raciocínio, mas não tenho dúvidas de que nós entendemos, não é mesmo?
Quantas e quantas vezes, sabendo que estamos errando, não assumimos para com o erro e a vida a atitude de pequeno animal da historia buscando o “igarapé” dos erros, dos prazeres matérias onde acabamos morrendo no sentido de contrair pesados acertos de contas perante as Leis maiores?
Nessas ocasiões, Jesus e nossos anjos colaboradores socorrem-nos, retirando-nos das àguas do desespero e colocando-nos em terra firme, com a recomendação de não voltarmos a insistir no mesmo tipo de erro!
E, sejamos francos com nós mesmo, quantas vezes voltamos a errar novamente, não é?
Aliás, isso ocorre desde que o homem é homem. O próprio Jesus, quando realizava as curas, recomendava ao socorrido para que não pecasse mais. Infelizmente, a maioria, como nos dias de hoje, não escutava a recomendação do mestre.
Escutamos nós nos tempos atuais?
Guerras, corrupção, impunidade, sequestros, crimes considerados hediondo, abandono de idosos nos asilos, de crianças nos abrigos, indiferença para com os sofredores, egoísmo, orgulho, vaidade à flor da pele etc.
OPS! XÔ, PESSIMISMO! Este blog não possui espaço para ele. Muito menos a sua mente e coração, não é mesmo?
Então, a partir de agora, se tiver um igarapé no quintal de sua casa, não se canse de salvar os pequeninos animais que, porventura, dentro dele caírem.
Se não tiver, retire das águas revoltas da existência as pessoas ao seu lado, ao seu alcance, que estejam debatendo-se dentro de problemas e às quais você pode ajudar.
Uma palavra amiga aqui, um momento de silêncio ali, a paciência de escutar acolá e você será o abençoado vigilante do rio da vida, retirando os que dentro dele estejam a debater-se.
Não é preciso ter igarapé em casa, como não é preciso ter muito dinheiro, muita posição social, muito reconhecimento, títulos importantes, nada disso.
O de que precisamos é boa vontade e sensibilidade para sentirmos, em nossa própria pessoa, a dor que invade a alma de nossos semelhantes.
Não perca tempo! Estenda a sua mão e vá retirando do sofrimento todos aqueles que, de alguma forma, a sua boa vontade seja capaz de auxiliar.

Pense com o Edu!
Limpe o “igarapé” do dia-a-dia daqueles que, sem a sua ajuda, poderão morrer afogados.
Ao fazer isso, ao repetir o gesto incansável do pai que diante da filha retirava pacientemente a formiguinha teimosa da água, você irá percebendo que o seu dia irá se transformando num DIA QUE CONSTRÓI!


Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : Ricardo Orestes.
³ Fonte imagem : O Pará todo lindo
Livro de Referência: Forni, Ricardo Orestes. Bom Dia Mesmo! Editora EME, Capivari – SP. 2005

Written by Eduardo Campos all rights reserved.

5 comentários:

Ana Clara disse...

Lindíssimo texto!!! E soberbamente ilustrado!... Um post absolutamente encantador e cativante... Quanta verdade, nessas dicas... Adorei, Eduardo! Parabéns, pelas brilhantes escolhas!

Lilian disse...

Iluminada é a tua alma Edu e sua essência tem cheiro de Deus! Magnífico texto. Para ler, reler e meditar.

Anônimo disse...

Sinto-me muito bem em seu blog Edu...! E a sua forma de fecunda, de semear o bem há de prevalecer em nossos corações! Um lindo post!

Anônimo disse...

Texto sensacional sou tua fã Edu! Uma ótima reflexão para começar bem nosso final de semana ;)

Anônimo disse...

Um texto muito lúcido e encerrando grande sabedoria.