sexta-feira, 5 de junho de 2015

APRENDENDO E VIVENDO...



“Na vida, não existe antecipação nem adiamento, somente o tempo propício de cada um.”
                                                                                                                        HAMMED

  Tenho aprendido que quem tem muitos talentos nem sempre se apercebe disto  e,   não  raro,    é    bastante    humilde.    Paradoxalmente,   tenho encontrado pessoas medíocres que,  na ausência de talentos,  valem-se  da astúcia.
Tenho ensinado! Proceda com inteligência em todas as situações. Não se esqueça, porém, de que muitos homens inteligentes são meros velhacos.
 Tenho  aprendido que razão e sentimento precisam caminhar juntos .  a    razão,  destituída   de   sentimento,   é   de   uma   frieza   cortante. o sentimento,  destituído de razão,  torna  a  pessoa  perigosamente vulnerável.
Tenho ensinado! A razão nos dá a capacidade de analise, enquanto o coração a de participar.
Tenho aprendido que, quem vem pregar insistentemente a própria religião ou  filosofia  para  você  sem  nem  querer  saber  o  que  você  pensa,  dá sinais  claros  de radicalismo  e  ignorância,  porquanto  o  jeito   de cada pessoa    religar-se   ao   divino   é   absolutamente    único,    pessoal     e intransferível.
Tenho ensinado! Temos nos esforçado tanto quanto possível para aplicar as orientações da Bíblia com o nosso próximo. Mas... E nós? Como cuidar de nós próprios? A proposta libertadora de Jesus estabelece: “Amai ao próximo” e “Acrescenta: ‘Como a ti mesmo”.
Tenho   aprendido   que   quando  estamos  tristes   e   quebrantados   por períodos demasiadamente longos, nossa alma começa a sabotar  o corpo para fugir da gaiola. portanto, reaja sempre no sentido  de   não   perder a alegria  de viver.
Tenho ensinado! Se estiver no trabalho, busque um local que lhe permita ficar só por um instante, respire fundo e eleve o pensamento a Deus, rogando forças e discernimento para não se deixar levar por circunstâncias desagradáveis.
 Tenho aprendido que deus gosta  dos poetas,  dos  cientistas,  dos artistas, dos  músicos,  dos bons pregadores,  dos pacifistas...  mas  penso  que  ele tem especial  predileção pelos que sabem levar o riso e a alegria.
Tenho ensinado! É verdade parafraseando Charles Schulzo: “que fazemos durante as horas de trabalho determina o que temos; o que fazemos nas horas de lazer determina o que somos.
Tenho  aprendido   que,   em  qualquer  tipo  de  relação,   deve    haver    um equilíbrio  entre o dar e o receber.  se fazemos muito  por  quem  quer  que seja isto fica incorporado, passa a  ser obrigação  e,  portanto, destituído de  valor. faça o seu melhor sempre, mas induza o outro(a)  a compreender a lei da reciprocidade.
Tenho ensinado! Em nome do amor devemos estender a mão para oferecer apoio ao invés de prisão. Quem ama proporciona segurança, confiança, afeto e portas abertas. Quem ama propicia uma saudável porção de solidão, a si e ao outro. Pois, ainda que desejemos uma vida de compartilhamentos e somas, não podemos esquecer que nascimento e morte são experiências que se vivem pela ótica do “indivíduo” e, por isso, solitárias, únicas, intransferíveis...
Pense com o Edu! – Há pessoas que, se pudessem, controlariam até mesmo o pensamento do seu par, a ponto de torná-lo a sua própria sombra. Isso não é amor, é extremado desejo de posse. Obrigação não combina com liberdade. Esta, sim, está associada ao ser espontâneo, otimista e criador.

Olá queridos leitores! Seja bem-vindo ao meu blog. O seu comentário é um incentivo a novos posts. Eles são a maior recompensa por cada pesquisa, cada palavra escrita. Então...Que tal deixar o seu recadinho? Vou ficar muito feliz em recebê-lo. Quem desejar ou quiser comentar enviar perguntas, depoimento ou sugestões de tema ao blog, basta enviar um e-mail para nosso endereço eletrônico:  edu.com28@yahoo.com.br
Aguardamos sua participação. Um abraço fraterno a todos do amigo Eduardo Campos


¹ Fundador e Autor: Eduardo Campos, Técnico em Gestão Pública: Pedagogo, Esp. em Docência do Ensino Superior – PROEJA  e Educação em Saúde. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo na Amazônia-GEPERUAZ/UFPA
² Fonte texto : Fátima irene pinto.
³ Fonte imagem : http://3.bp.blogspot.com/-DvtThyIBIDk/VPZDF5ssbnIcapture-20121115-173221.png
Livro de Referência: Autora: Fátima Irene , Titulo original vivendo aprendendo! Internet. adaptado por Eduardo Campos vivendo aprendendo e ensinando essa é a vida!

Written by Eduardo Campos all rights reserved.

12 comentários:

Leonam disse...

Eduardo Campos, tudo isso que você aprendeu está sendo uma "cutucada" na gente. Também aprendemos muitas dessas coisas, mas não as aplicamos, o que é muito triste. Hoje em dia tenho visto muitas ocorrências desse tipo:" tenho aprendido que quando estamos tristes e quebrantados por períodos demasiadamente longos, nossa alma começa a sabotar o corpo para fugir da gaiola. portanto, reaja sempre no sentido de não perder a alegria de viver". Muita gente se entregando e preferindo dizer: "eu sofro". Não se apercebendo da beleza da vida ao nosso redor. Outra coisa que achei muito importante é a sua colocação sobre o equilíbrio entre o dar e receber. Seria muito importante a conscientização do partilhar. Muito legal a sua postagem. Grande abraço.

Anônimo disse...

O texto inteiro nos faz refletir. Manter o equilíbrio entre a ração e a emoção, muito difícil, muito importante trabalharmos isso para se viver bem. Destaco uma frase: "FAÇA O SEU MELHOR SEMPRE, MAS INDUZA O OUTRO(A) A COMPREENDER A LEI DA RECIPROCIDADE". Um ótimo fds...quase que eu "falo" uma ótima semana, rsss feriadinho de quinta deixa a gente forinha, rsss

Anônimo disse...

Lindas aprendizagens que partilhou conosco! Aprendizado que vamos incorporando por toda a vida. Um final de semana maravilhoso para você!

Anônimo disse...

Sábios conselhos... O ideal é sempre dosarmos tudo em nossa vida...A busca do equilíbrio é uma atitude sensata e saudável! Obviamente que nunca chegaremos ao equilíbrio total. Não enquanto vivermos aqui, neste planeta...Porém, a temperança é necessária para corrigirmos os excessos...

Anônimo disse...

Eduardo, não dá pra eleger qual parágrafo é mais lindo e significativo, mas me encantei particularmente com esse:" TENHO APRENDIDO QUE DEUS GOSTA DOS POETAS, DOS CIENTISTAS, DOS ARTISTAS,DOS MÚSICOS , DOS BONS PREGADORES, DOS PACIFISTAS... MAS PENSO QUE ELE TEM ESPECIAL PREDILEÇÃO PELOS QUE SABEM LEVAR O RISO E A ALEGRIA."

Anônimo disse...

Amo os textos da Fátima Irene, e esse com sua adaptação em especial ficou primoroso.

Anônimo disse...

Lindo o texto! Destaco: "Tenho aprendido que Deus gosta dos poetas, dos cientistas, dos artistas, dos músicos, dos bons pregadores, dos pacifistas... Mas penso que ele tem especial predileção pelos que sabem levar o riso e a alegria."

Anônimo disse...

Penso que Deus (como um bom Pai), nos quer ver sempre felizes e sorrindo. Acredito também, que em qualquer relação, deve existir um equilíbrio entre o dar e o receber. (Aliás, o equilíbrio é bom em tudo na vida!)... Fique bem, fique com Deus.

Anônimo disse...

Esse texto é maravilhoso, UMA OPÇÃO PERFEITA DE equilíbrio, dE sabedoria e do bem. Enfim alguém que descobriu o verdadeiro sentido da palavra amor!

Anônimo disse...

Lindo este texto! Adorei! E assim vamos aprendendo tantas coisas boas que a própria vida se encarrega de nos ensinar. Os sábios não nasceram sabendo. Eles são aqueles que, a vida, a natureza, o mundo todo em si, o fizeram aprender a viver e a passar-nos rua sabedoria.

Anônimo disse...

Edu, essa é uma boa reflexão a todos, principalmente para aqueles que acham que suas opiniões são as verdadeiras sem dar espaço para ouvir os outros.

Eliana Peixoto disse...

Oi Edu, amei todo o texto, mas destaco o último paragrafo: "Tenho ensinado! Em nome do amor devemos estender a mão para oferecer apoio ao invés de prisão. Quem ama proporciona segurança, confiança, afeto e portas abertas. Quem ama propicia uma saudável porção de solidão, a si e ao outro. Pois, ainda que desejemos uma vida de compartilhamentos e somas, não podemos esquecer que nascimento e morte são experiências que se vivem pela ótica do “indivíduo” e, por isso, solitárias, únicas, intransferíveis..." Quem ama de verdade aceita e respeita a individualidade do seu companheiro(a). No verdadeiro amor existe uma complementariedade, um que completa "completamente" o outro que até os torna um, sem que nenhum deixe de existir ou seja anulado. Tenho aprendido o quão é difícil encontrar esse equilíbrio.